segunda-feira, 31 de agosto de 2009

'Anvisa Debate' discute regras para farmácias e drogarias


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária promove nesta terça-feira (1), a partir das 9h (horário Acre), o programa Anvisa Debate. O público poderá assistir ao vivo no auditório da Anvisa ou acompanhar em tempo real no site da instituição. O link para acesso a transmissão do evento é www.saude.gov.br/emtemporeal. Estarão em discussão as novas regras que a Anvisa definiu para farmácias e drogarias.

O programa terá como debatedores o deputado Federal pelo PT/SP, Arlindo Chinaglia; o promotor do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), Jairo Bisol, o presidente Executivo da Associação Brasileira de Redes de Farmácia e Drogarias (Abrafarma), o sr. Sérgio Mena Barreto, e o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Raposo de Mello.

O Anvisa Debate reune, sempre na primeira terça-feira de cada mês, autoridades, especialistas e a sociedade para discutir assuntos ligados à saúde e à vigilância sanitária, entre outros de interesse da população brasileira. A platéia presente também poderá participar realizando perguntas aos convidados. Confirme sua presença pelo e-mail: cerimonial@anvisa.gov.br.

Leia também:

Veja o que muda nas farmácias e drogarias
Rio Branco: apenas três drogarias mantêm farmacêut...
Anvisa anuncia novas regras para farmácias e droga...
Site e sistemas da Anvisa ficarão fora do ar

Enviar para o Twitter

Binho fala sobre programa de habitação


Mariama Morena

"O Acre nunca teve um programa habitacional tão ousado", afirma governador sobre o Minha Morada que vai garantir 10 mil casas para as famílias que mais precisam.
No programa de rádio Dois Dedos de Prosa desta segunda-feira, o tema do bate-papo com o governador Binho Marques foi o maior programa de habitação do Acre, o Minha Morada. Apresentado oficialmente no último dia 21 de agosto, com a presença do presidente Lula no Acre ao lado do governador, o programa garante a construção de 10 mil casas para famílias de baixa renda no estado. Marques ressaltou que o projeto já está em curso desde o início de sua gestão, em janeiro de 2007.

"Quando começamos essa gestão, já nos preocupávamos com habitação. Então, a partir do programa, começamos a construir casas de todas as formas que a gente poderia fazer.
O presidente Lula viu o nosso esforço. Conseguimos atingir cerca de 6 mil casas no nosso programa estadual, apenas com recursos do governo, com financiamentos, e o presidente Lula comprometeu o programa nacional, que é o ‘Minha Casa, Minha Vida', mais 4 mil casas para que o nosso programa chegasse a esse marco de 10 mil casas", explica Binho.

Para o governador, este programa é um marco histórico. "O Acre nunca teve um programa habitacional tão ousado", avalia. Uma das preocupações do programa foi garantir que as residências possuam todas as condições básicas necessárias para uma família viver com dignidade.

"E mais importante do que a construção de 10 mil casas, é que são 10 mil casas para quem mais precisa. Equidade significa dar mais para quem mais precisa. Essas 10 mil casas vão ser destinadas para as pessoas que vivem em área alagadiça, área de desbarrancamento, que enfrentam dificuldades sociais.
É por isso que esse programa tem prioridade absoluta, voltado principalmente para as famílias que têm renda até três salários mínimos", afirma o governador.

No programa, Binho Marques explica que as famílias cadastradas no Bolsa Família automaticamente estão cadastradas no Minha Morada. "As pessoas que estão cadastradas no cadastro único do Governo Federal (CadÚnico) que é dedicado às famílias mais pobres serão as primeiras selecionadas no programa. Para confirmar essa inscrição, as famílias que não têm casa terão apenas que manifestar interesse em participar do programa".

Outra informação importante confirmada pelo governador é de que já foram assegurados todos os recursos para construção das 10 mil casas. "Nesse exato momento temos 55 canteiros de obras em todo o estado. E são 3 mil trabalhadores só nesse programa de habitação. Então é um programa que está gerando emprego, renda e está fazendo com que a gente tenha melhor condição de vida para todos".

Enviar para o Twitter

Jornal 'O Povo' do Ceará destaca formação do Acre


Amazônia cearense

Marcos Sampaio

É impossível esquecer a importância do Ceará na formação do Acre. Tudo começa nos anos 1940, quando milhares de cearenses saíram daqui em busca de borracha.

Eles foram motivados por um alistamento compulsório promovido pelo então presidente Getúlio Vargas, que, desta forma, não só conseguiu formar seu “exército da borracha”, como tirou mais de 50 mil nordestinos da seca que assolava a região.

Boa parte dessa história foi recontada no último dia 6, quando foi inaugurada na Avenida Ceará, principal via de Rio Branco, capital do Acre, o monumento intitulado Jangadas, em homenagem aos 107 anos da Revolução Acreana, momento que incorporou definitivamente o território ao Brasil. O autor da obra que mede seis metros, feita em aço SAC-50 (cuja principal característica é ser resistente à ferrugem), é o artista plástico Sérvulo Esmeraldo que, aos 16 anos, deixou o Crato para conquistar o mundo com suas cores e formas. Formado por três triângulos, como velas, Jangadas faz alusão a um dos principais ícones da cultura local.

Entre as palavras gravadas na placa que fica em frente à escultura, “Quando os nordestinos empreendiam a longa jornada do sertão até a mais distante floresta da Amazônia, velas ao mar eram o último aceno da terra natal para gerações de cearenses”. “Não sei quando comecei a me interessar por arte. Só sei que comecei”, diz Sérvulo que, já na infância, dividida entre o engenho do pai e a escola, gostava de desenhar os parentes e explicar como o desenho foi feito.
Numa longa conversa que passeou por vários cômodos da sua casa, ele conta que daí até se encaminhar para a profissionalização, precisou de um pequeno empurrão do acaso. “Fui expulso do ginásio do Crato, aos 13 anos, porque dei uma entrevista na rádio falando mal dos integralistas e fiz um cartaz para o partido comunista”.

Por conta deste incidente, ele veio para Fortaleza estudar no Liceu. Trajetória Já na capital, aos 18 anos, foi visitar o 5º Salão de Abril onde conheceu muitos artistas da Sociedade Cearense de Artes Plásticas como Ademir Martins e Antonio Bandeira. “Nessa época, eu ainda não pensava em ser artista. Meu pai queria que eu fosse diplomata no Rio de Janeiro e pensava em fazer arquitetura, porque parecia com arte”.

Mesmo assim, seguia várias tardes para a lagoa da Messejana ou para a praia para pintar com seus novos amigos. Em seguida parte para São Paulo e expõe suas xilogravuras no Instituto dos Arquitetos. Lá ele conhece o adido cultural da França que o convida para estudar em Paris. Olhando alguns dos álbuns de recortes de jornal que trazem notícias suas (ele tem mais de uma dezena), Sérvulo ainda se surpreende com o que encontra. “Isso aqui é a minha vida”, diz, emocionado.
Ainda desarrumando as malas que trouxe da sua última visita ao Acre, ele diz que a obra Jangadas foi muito importante principalmente por conta de toda a importância que o Ceará tem na fundação do Acre. “O Secretário de Cultura do Acre dizendo que queria uma obra minha na nova avenida que fosse parecida com a que tem aqui, próximo ao mercado de peixes da beira mar”.

“O Sérvulo foi escolhido tanto em virtude dos atributos estéticos de sua obra quanto pelo fato de ser cearense, conterrâneo de nossos antepassados”, explica Daniel Sant’Ana, diretor-presidente da Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour-Acre. “A obra é importante, pois simboliza, com suas formas, as embarcações nas quais os migrantes eram transportados.

O resultado não poderia ser melhor.” Com 80 anos completados no último 27 de fevereiro, Sérvulo continua atento às novas gerações de artistas plásticos. Citando João Bosco Lisboa e Carlos Macedo, ambos de Juazeiro do Norte, e Francisco Zanazanan, ele diz que são muitos os nomes no Ceará que continuam produzindo trabalhos interessantes.

E, entre seus próprios trabalhos, ele conta que passou a última noite trabalhando num medalhão de prata que está fazendo para uma coleção de joias que pretende lançar ainda este ano. Outro projeto, para o próximo ano, são duas exposições que passeiam pela sua história, uma na Pinacoteca de São Paulo e outra na França. Certamente, não vão faltar traços e desenhos para a história do menino do engenho que saiu do Crato para enfeitar o mundo.


Enviar para o Twitter

Brasil: sanções pelo subsídio americano ao algodão podem chegar a US$ 800 milhões

GENEBRA, França (AFP) - As sanções da OMC (Organização Mundial do Comércio) impostas aos EUA em favor do Brasil, na briga sobre os subsídios aos produtores americanos de algodão, podem chegar a US$ 800 milhões este ano, segundo o embaixador brasileiro na casa, Roberto Azevedo, após o veredicto do caso.


A OMC ditou que, para o ano 2006, a quantia máxima estabelecida para as sanções será de US$ 147,4 milhões. "Para os anos seguintes, o valor anual será determinado mediante a aplicação de uma complexa fórmula matemática anunciada pela instância de arbitragem da organização", acrescentou.

O Brasil pediu em 2 de março uma compensação de US$ 2,5 bilhões pelo prejuízo causado a seus produtores de algodão entre 1998 e 2002".

Roberto Azevedo explicou que parte das sanções só pode ser aplicada aos bens e, em alguns casos, aos serviços e propriedade intelectual.

"Lamentamos que os Estados Unidos não tenham cumprido ainda com a decisão do sistema multilateral de comércio, apesar de as subvenções americanas terem sido condenadas várias vezes", declarou o embaixador brasileiro na OMC.

Os Estados Unidos se declaram decepcionados com a sentença, mas se mostraram satisfeitos porque as indenizações são menores que o solicitado por Brasília.

Enviar para o Twitter

domingo, 30 de agosto de 2009

Marina Silva assina termo de filiação ao PV em SP


Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - A senadora Marina Silva (AC) assinou neste domingo termo de filiação ao Partido Verde em meio a gritos de "Marina presidente" e com promessa de trabalhar pelo desenvolvimento sustentável e de reforma da legenda.

A senadora, que falou por cerca de meia hora a uma multidão de membros do partido e simpatizantes, lembrou Chico Mendes, ambientalista assassinado no final da década de 80, e figuras como Martin Luther King e Nelson Mandela.

Em uma fala que tirou lágrimas e aplausos em vários momentos, Marina afirmou: "O PV, ao dispor a fazer uma revisão no seu programa e em sua estrutura partidária, me moveu para esse desafio (deixar o PT após 30 anos de militância para se juntar ao partido)".

"Todos os partidos não podem se furtar a esse desafio da sustentabilidade. Estamos crentes que a velha política de se fazer as coisas para as pessoas precisa mudar para uma política com as pessoas".

Participaram do ato de filiação da senadora os principais nomes da legenda, como o deputado federal Fernando Gabeira (RJ), o presidente do PV no Rio de Janeiro, Alfredo Sirkis, e também figuras do movimento ambientalista, como a filha de Chico Mendes, Elenira Mendes.

A senadora, ao justificar sua saída do PT e sua entrada no PV, recheou o discurso com trechos de escritores como Guimarães Rosa e Santo Agostinho. "Estou saindo para fazer outra casa, mas para morar na mesma rua... Não é errado ter diferentes interesses. Nós precisamos de lideranças multicêntricas para questões multicêntricas".

Antes do discurso de Marina, Gabeira afirmou que o objetivo estratégico do partido é trabalhar a redução das emissões de carbono, mas que a legenda vai trabalhar em outros temas relacionados como violência urbana, ética na política e geração sustentável de energia.

Rebatendo críticas recebidas pelo partido nas últimas semanas por conta de apoios à oposição e ao governo, Gabeira disse que "em 2002 chegamos apoiando o PT com a bandeira da ética na política, e hoje temos um governo moralmente frouxo e um congresso apodrecido".

O deputado federal, um dos principais expoentes do PV, reforçou promessas da legenda de mudanças em seus quadros. "Não tem sentido ter em nosso partido pessoas que não são comprometidas com nosso programa".

A senadora encerrou seu discurso sem afirmar se será candidata ou não às eleições presidenciais de 2010.

Enviar para o Twitter

sábado, 29 de agosto de 2009

Site e sistemas da Anvisa fora do ar

O site e todo o sistema da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa - estão indisponíveis desde ontem, sexta-feira 28, devendo ser normalizado apenas na segunda-feira 31.
De acordo com a Gerência Geral de Gestão de Tecnologia da Informação (GGTIN), a interrupção se deve a migração dos servidores de informática para o novo Centro de Processamento de Dados, instalado no Complexo da Anvisa, em Brasília.
O novo ambiente, com sala-cofre certificada com marca de segurança da ABNT, estará protegido contra ameaças físicas e paradas não programadas ou perda de informações.

Enviar para o Twitter

PV vai transmitir filiação de Marina ao vivo pela internet

Neste domingo, 30 de agosto, a partir das 11 horas.
Clique na imagem e confira

Enviar para o Twitter

Marina Silva assina filiação ao PV em São Paulo neste domingo

A senadora Marina Silva (AC) assina, amanhã, domingo, sua filiação ao PV em cerimônia que será realizada durante encontro nacional do partido, em São Paulo, a partir das 10h30.

Marina deixou o PT na semana passada e ainda vai decidir sua candidatura à Presidência da República pelo PV. Ela deixou a legenda com a justificativa de que o partido não ofereceu "condições políticas" para avanços na questão ambiental.

Segundo o PV, pelo menos 1.000 pessoas se inscreveram para acompanhar a solenidade no local. A filiação também poderá ser acompanha pela internet, no site do partido.

Em entrevista na qual anunciou sua decisão de deixar o PT, Marina agradeceu a um grupo de petistas que a pressionaram a permanecer na legenda, como o presidente do PT, Ricardo Berzoini, os senadores Aloizio Mercadante (PT-SP), Tião Viana (PT-AC) e Eduardo Suplicy (PT-SP). A senadora não mencionou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva porque disse que não discutiu com o petista a sua saída da legenda.

Enviar para o Twitter

Marina Silva é 'criança da Amazônia' que abala o Brasil, diz New York Times

Com o título "Uma criança da Amazônia que abalou a política de um País", o jornal New York Times publicou neste sábado um perfil da senadora Marina Silva (AC). O texto contrasta a infância e adolescência da ex-ministra do Meio Ambiente "no coração da Amazônia" com o "ícone do movimento ambientalista" que ela representa hoje.

O artigo também destaca que Marina "abalou a política brasileira" ao anunciar sua saída do Partido dos Trabalhadores (PT) e sua filiação ao Partido Verde (PV), no qual poderá ser candidata à Presidência em 2010, e que sua história, "de uma mulher humilde que superou a pobreza extrema e a doença para se tornar uma das maiores forças da política brasileira", poderia ser "uma inspiração para o povo brasileiro em sua busca por um presidente para substituir" Luiz Inácio Lula da Silva.

O jornal afirma que "se esta mulher vencer, a história será feita", lembrando que o Brasil nunca teve uma presidente mulher e, ainda, com "origens negras".

O artigo do jornalista Alexei Barrionuevo narra a história de Marina, nascida na cidade de Bagaço, no interior do Acre, suas atividades como seringueira ao lado do pai e dos irmãos, e a hepatite que a atingiu seriamente quando tinha 16 anos e que a levou a buscar cuidados médicos na capital do Estado, Rio Branco.

O texto afirma, no entanto, que o passado de Marina com sérios problemas de saúde - além da hepatite, malária e contaminação com metais pesados -, poderia ser usado contra ela pelos adversários políticos em uma provável candidatura presidencial. O artigo destaca ainda o fato de que Marina perdeu a mãe com 11 anos de idade e duas irmãs mais novas por problemas de saúde relacionados a doenças como sarampo e malária.

O artigo conta também a juventude de Marina em Rio Branco, onde cursou a faculdade de História e começou a militar no movimento ambientalista da Amazônia ao lado do sindicalista Chico Mendes, assassinado em 1988.

Para o NY Times, sob o comando de Marina enquanto ministra do Meio Ambiente de Lula desde 2003, o Brasil "engendrou um plano nacional de combate ao desmatamento e criou reservas indígenas do tamanho do Texas". O artigo também cita dados que mostram a queda dos índices de desmatamento entre 2004 e 2007. Marina deixou o cargo de ministra em maio de 2008.

Enviar para o Twitter

Brasil quer quebrar patentes para retaliar EUA

O governo federal já conta com uma nova medida provisória que permitirá a adoção de retaliações contra os Estados Unidos, por meio da quebra de patentes. O projeto, mantido em sigilo, está apenas esperando que na próxima segunda-feira (dia 31) a Organização Mundial do Comércio (OMC) autorize o Brasil a aplicar sanções em direitos de propriedade intelectual. Nessa data, a entidade máxima do comércio vai anunciar, após sete anos de disputa, o valor e a forma pela qual o Brasil poderá retaliar os EUA pelas irregularidades no comércio de algodão.

A guerra começou em 2002 e atravessou todo o governo George W. Bush. Mas os EUA utilizaram todos os mecanismos para retardar a condenação. Os subsídios ao algodão foram condenados pela OMC, numa decisão que simbolizou a vitória dos países em desenvolvimento contra o sistema agrícola dos países ricos, que há 40 anos provocava distorções. O problema é que o governo norte-americano nunca retirou os subsídios. O Brasil também já havia sido autorizado a retaliar em 2005, mas preferiu um entendimento com Washington, esperando que o subsídio fosse suspenso sem que fosse necessária alguma sanção, que causaria um desgaste político.


De novo, nada ocorreu. O Brasil, em julho do ano passado, decidiu pedir o direito de retaliar os norte-americanos em US$ 2,5 bilhões. Os EUA questionaram o valor e alertaram que apenas aceitariam retaliação de pouco mais de 1% do valor defendido pelo Brasil, de US$ 30 milhões. Uma decisão sobre qual seria o montante deveria ter sido dada ainda em 2008. Mas a direção da OMC vem adiando a decisão diante da pressão política. Na prática, trata-se de um dos casos mais polêmicos do comércio internacional. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Enviar para o Twitter

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Flávio Arns formaliza desfiliação do PT


Marcos Chagas
Repórter da Agência Brasil


Brasília - O senador Flávio Arns (PT-PR) oficializou, nesta quinta-feira (27), sua desfiliação do partido. Em discurso no plenário, Arns repetiu as críticas feitas há duas semanas ao partido, na reunião do Conselho de Ética do Senado, referindo-se à postura dos senadores petistas que votaram pelo arquivamento dos pedidos de investigação de denúncias envolvendo o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP).

No pronunciamento, Arns apontou alguns dos motivos que o levaram a deixar o PT, entre eles, o fato de o partido ter orientado senadores a votar pelo arquivamento das representações contra Sarney no Conselho de Ética "em flagrante distanciamento e violação aos princípios e diretrizes que sempre nortearam o ideal do partido”.

O senador lembrou que a direção do PT ignorou o manifesto da bancada, que defendia o afastamento temporário de Sarney para que as investigações fossem conduzidas com isenção. Ele também reclamou de “discriminação” do partido e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra sua pessoa.

A direção nacional do PT não decidiu, ainda, se reivindicará o mandato de Flávio Arns no Supremo Tribunal Federal (STF) com base na resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que o mandato pertence ao partido, e não ao parlamentar. De acordo com a assessoria do diretório, o assunto será tratado na reunião da Executiva Nacional, no próximo dia 3.

Enviar para o Twitter

Homofobia: o preconceito nas escolas

O preconceito contra homossexuais também encontra espaço na escola. Reportagem especial da Agência Brasil apresenta o problema a partir da perspectiva de educadores, psicólogos e das próprias vítimas

Clique e confira

Enviar para o Twitter

Governo federal estuda criar 'bolsa-floresta'


O governo federal poderá pagar para quem mantiver a Floresta Amazônica em pé. Uma proposta apresentada por consultores do Ministério do Meio Ambiente (MMA) à equipe econômica, esta semana, prevê a criação de uma espécie de mercado nacional de carbono, com um valor mínimo para cada tonelada de emissão evitada no País. Com isso, famílias, cooperativas e grupos que preservarem terão direito a um recurso, algo como uma bolsa-floresta, por prestação de serviços ambientais.

O argumento é que a floresta em pé tem um valor que pode ser calculado pelo que ela deixa de emitir de CO² e quem a preserva pode receber por isso e ainda saber de antemão com qual recurso contará. A ideia base, preparada para o MMA pelo engenheiro florestal Tasso Azevedo, está sendo discutida com o Ministério da Fazenda.

"A intenção é simplificar muito o processo. Um sistema de transferência de recursos como esse pode 'empoderar' quem está lá na ponta, gerindo a floresta", explica Tasso. A proposta parte da ideia da criação de um estoque nacional de carbono não emitido. Cada tonelada teria um valor mínimo, a ser calculado pelo governo, que seria revertido a quem preservou.

Isso não significa que o governo teria que pagar a todos que deixassem de desmatar. Ao final de um ano, uma empresa ou associação que tivesse um crédito poderia vendê-lo em um futuro mercado internacional de créditos de carbono, se obtivesse um preço além do mínimo estabelecido pelo governo. Mas, uma família que dificilmente teria acesso sozinha a esse mercado também poderia receber pela preservação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Enviar para o Twitter

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Após vídeo sensual, professora primária é demitida

Uma professora de educação infantil e alfabetização de uma escola particular de Salvador foi demitida depois de aparecer em vídeos postados no site "You Tube", dançando o pagode Todo Enfiado, da banda O Troco. Nas imagens, feitas em junho, a professora de 28 anos é vista fazendo a coreografia erótica da música, no palco, ao lado da banda. Em determinado momento, o vocalista do grupo e autor da canção, Mario Brasil, levanta o vestido dela e puxa a calcinha para cima, movimento que faz parte da coreografia.


Depois de virar celebridade na capital baiana - os vídeos, registrados por câmeras amadoras, já foram vistos mais de 100 mil vezes -, ela foi demitida da escola e, ridicularizada pelos vizinhos, teve de se mudar de bairro. Ela tem uma filha de 7 anos. "Pelo menos temporariamente não tenho como voltar para lá", avalia a professora, formada em pedagogia. Ela passou a morar com parentes.


Os responsáveis pela escola na qual lecionava não quiseram se pronunciar sobre o caso. Informam apenas que a demissão foi causada por pressão feita por pais de alunos. A professora diz estar arrependida. "Eu tinha bebido", justifica, e diz entender a decisão da escola. A demissão causou revolta entre os integrantes da banda. "Aquilo foi só uma brincadeira", avalia o autor da música. "Não faz sentido ela ter prejuízo por isso."

Enviar para o Twitter

Comissão aprova criação de 8 mil cargos de vereador


Comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou ontem a chamada PEC dos Vereadores, proposta de emenda constitucional (PEC) que aumenta em 8 mil o número desses cargos no País - de 51,7 mil para 59,7 mil. Para a medida entrar em vigor, ela deverá ser votada pelo plenário em dois turnos. Como já foi aprovada pelos senadores, a PEC não precisa passar novamente pelo crivo do Senado. Com a aprovação da proposta, cerca de 8 mil suplentes tomarão posse nos legislativos municipais.

Além da criação de vagas, os deputados também aprovaram uma proposta de emenda que reduz os gastos da Câmaras Municipais. Se aprovada em dois turnos, a medida reduzirá de 5% para 4,5% o nível da receita transferida às Câmaras nos municípios com mais de 500 mil habitantes.

Enviar para o Twitter

Cartão vermelho de Suplicy incomoda até aliados


Lá se vão quase 26 anos desde que o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) virou atração pela primeira vez no Congresso, ao estrear seu estilo performático na tribuna da Câmara. A pretexto de questionar um decreto-lei salarial do governo de José Sarney, o então deputado Suplicy subiu à tribuna levando dois caminhões de brinquedo, um deles carregado de tomates. A performance do cartão vermelho para o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), acabou desagradando correligionários, aliados e adversários do senado peemedebista.

"O que ele fez agora foi a reedição dos tomates do Delfim com atraso duplo: no tempo e no senso de oportunidade", definiu o líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), para quem a vontade de Suplicy de "aparecer" é maior do que seu desejo de preservar a instituição. Embora considere que o episódio seja "típico" do parlamentar petista, o líder confessou surpresa com a atitude dele.
A bancada petista também foi surpreendida. Suplicy avisou aos companheiros e ao líder Aloizio Mercadante (SP) que faria um discurso pedindo a renúncia de Sarney, mas não contou a ninguém sobre o gesto teatral de empunhar um cartão vermelho para o presidente da Casa. Os colegas não gostaram, mas evitaram comentar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Enviar para o Twitter

A CASA CAIU

Filosofando
Todas as quintas

Odion Mote

Como em uma frase criada por um grande árbitro de futebol onde ele sempre fala que “a regra é clara”, não quero aqui criar nenhuma frase de efeito, mas e história mostra que realmente os fatos sempre são reais, que todo império que chega ao seu apogeu, a tendência é a decadência, e isso é histórico, se fossemos aqui relatar a todos, uma lauda seria pouco, mais para mostrar a verdade da historia que nos mostra, que o império romano quando chegou ao seu apogeu, findou pela falta de ética, moral, e uma infinidade de corruptos e assassinos, que matavam uns aos outros para obter o poder.

É, mas nem bem saímos de uma ditadura militar, que nos escravizou, e nos assassinou por longos anos de uma forma cruel e sem nenhuma piedade. Onde se perdeu muitos camaradas e companheiros, até que chegássemos a uma frágil democracia em que vivemos hoje, vemos no picadeiro do senado federal, os senadores que através do voto da população se acha no direito de adentrar aquela casa, para se chicotearem uns aos outros sem o menor respeito pelo eleitor, não diria nem eleitor, pelo povo brasileiro que depois de sofrer por muitos anos em uma cruel ditadura, agora sofre pelas palavras das línguas felinas dos senadores, onde publicamente se chamam de trombadinha do poder, isso parece mais brincadeira, é simplesmente ridículo.


É triste ver que um grande líder sindicalista, onde outrora gritava aos quatro cantos do país pela liberdade, pela ética, pela moralidade, por transformações, por mudanças radicais, e quando se consegue algo novo, se chega ao topo, ao apogeu, hoje se torne um simples boneco de marionete do poder, e tal qual Pôncios Pilatos, lava as mãos e venda os olhos para o lamaçal que entrou no senado federal. Mas a casa começa a cair, hoje vemos que pessoas corretas, com ética profunda, com princípios morais inabaláveis, pulam do barco que afunda, do telhado de vidro, da casinha de sapê que começa a incendiar, é como fala os policiais aos traficantes, “a casa caiu”, ou está caindo, e aqueles que não querem se machucar com a queda do telhado de vidro, ou se queimar com o fogo, e ainda morrer afogado, saí para não ir junto, realmente “a casa caiu”, e mais cedo do que se imaginava, o império está se rompendo, rápido em...! E como diz o espetacular jornalista “isto é uma vergonha!!!!!!!!!

Odion Monte - contador, especialista em Filosofia Política pela Universidade de Teologia e Filosofia de Rio Branco - Acre (SINAL).É ainda, especialista em Pericia Judicial – UCG – Universidade Católica de Goiás - Bel. em Ciências Contábeis - FIRB/FAAO/AC
Artigos Anteriores:

Enviar para o Twitter

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

'Envergonhados' do PT são criticados em festa do partido


Dirigentes do PT, ministros, senadores e deputados transformaram ontem o lançamento da candidatura de José Eduardo Dutra ao comando do partido numa manifestação de desagravo à ética petista. Uma semana depois de o PT ter ajudado a absolver o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), os petistas tentaram demonstrar unidade para reagir aos ataques da oposição e defender a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), pré-candidata da legenda à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.



Marcado por discursos exaltados, o ato da corrente "Construindo um Novo Brasil" - antigo Campo Majoritário do PT - também acabou adquirindo tom de censura à saída dos senadores Marina Silva (AC), de malas prontas para o PV, e Flávio Arns (PR). Depois de dizer que para trabalhar no Senado era preciso ganhar adicional de "insalubridade e periculosidade", a senadora Ideli Salvatti (PT-SC), líder do governo no Congresso, afirmou não existir maior corrupção do que submeter a população à miséria.


"Para os envergonhados que saíram do PT, quero dizer que tenho muito orgulho de ser petista", afirmou a parlamentar catarinense, sob aplausos da plateia. "Quando um partido consegue enfrentar a crise diminuindo a pobreza, temos de ter orgulho da ética petista." Ideli concluiu o seu discurso desejando um Senado "menos insalubre e menos perigoso". Ex-presidente da BR Distribuidora, Dutra chamou os que apontam o dedo para criticar a perda de substância ética do PT de "profetas do apocalipse". Depois, citou todos os presidentes do PT, desde a fundação do partido, para dizer que quer estar à altura deles. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Enviar para o Twitter

Acre registra primeira morte por gripe suína

A Secretaria de Saúde do Acre confirmou ontem a primeira morte causada pelo vírus da gripe suína. O resultado foi enviado pelo Instituto Adolfo Lutz na noite de segunda-feira, ao Laboratório Central (Lacen). Clóvis Pinheiro Rosas, de 29 anos, contraiu o vírus em Manaus, no Amazonas, e morreu na madrugada do dia 17 deste mês, no Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul, após ter uma crise de insuficiência respiratória.

Apensar da gravidade da gripe A (H1N1), no Pronto Socorro de Rio Branco, no centro da cidade, o atendimento é precário. Há pessoas que, mesmo, com suspeita de ter contraído o vírus saí daquele hospital sem nenhum atendimento médico. Não é díficil fazer a ficha de consulta e passar pela triagem prévia. Mas na hora do atendimento médico, são horas de fila e casos de pacientes que desistem e voltam pra casa, sendo obrigados a se automedicarem.



Texto adaptado
Agência Estado

Enviar para o Twitter

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Alunos de jornalismo têm aula expositiva sobre produção fotográfica

Os acadêmicos do sexto período de jornalismo do Instituto de Ensino Superior do Acre – Iesacre – participaram, ontem, de uma aula expositiva com o fotógrafo e arquiteto Paulo Sérgio Jivago, 34 anos. No encontro, os alunos tiveram a oportunidade de apreciar os procedimentos que envolvem a produção fotográfica.


Jivago: experiência com fotográfia publicitária e fotojornalismo (foto: Rosangela Santos)

Iluminação adequada, tipos de luz, diferenças entre máquinas fotográficas – digitais, semiprofissionais e profissionais. Foram alguns dos temas abordados por Jivago, que é responsável pela produção fotográfica de catálogos do Sebrae. Em seu currículo de mais de 10 anos de atuação na área, apresenta trabalhos publicados em fotografias de publicidade, moda, jornalismo e outros.

Segundo a professora de fotojornalismo do Iesacre, Concita Cardoso, o evento faz parte do cronograma de aulas práticas da disciplina, uma reivindicação antiga dos acadêmicos.

Enviar para o Twitter

Encontradas quatro roldanas da ponte metálica

Tatiane Campos


Antigo mecanismo para suspensão da ponte foi encontrado soterrado próximo ao Mercado dos Colonos. Peças serão tratadas e ganharão monumento

O trabalho de limpeza do entorno do Mercado dos Colonos para a obra de urbanização revelou um pedacinho da história do Acre: as quatro roldanas que eram instaladas na ponte metálica para a elevação das duas partes, permitindo a passagem de navios. "Quando a ponte passou a ser fixa, as peças foram deixadas na margem do rio e acabaram soterradas. Sabíamos que pelo menos duas delas estavam por ali, mas não pensávamos que iríamos encontrar as quatro", disse o secretário de Obras Públicas, Eduardo Vieira.


A ideia agora é transformar as roldanas num monumento, que será instalado entre o Mercado Velho e o acesso à ponte metálica. "Consultamos um escultor que trabalha muito com metal e pedimos uma proposta de arte", declarou o secretário.

As roldanas serão retiradas do local e tratadas, e o monumento deve ser entregue junto com as obras da ponte metálica e o Mercado dos Colonos.

Sobre a ponte - A ponte Juscelino Kubitscheck, mais conhecida como ponte metálica, foi encomendada para a Companhia Siderúrgica Nacional em 1957, com a pretensão de ser a maior obra de engenharia já feita na região.

A ponte foi trazida de balsa até Boca do Acre, no Amazonas, onde encalhou e ficou por anos seguidos. Parte da estrutura veio em um lote pré-moldado e foi deixada nos barrancos do rio Acre. "Na época os grandes navios a vapor ainda navegavam pelo rio Acre, fazendo o comércio entre os seringais. Por isso, o projeto inicial da ponte previa que seu vão central fosse elevadiço, para que os navios a vapor pudessem navegar pelo rio tranquilamente. O problema é que, quando a ponte foi remontada, já no inicio dos anos 70, a realidade era outra", explica Sueli Melo, do Patrimônio Histórico.

Na gestão do governador Jorge Kalume, a ponte Juscelino Kubitscheck foi resgatada de Boca do Acre, sendo de fato erguida em Rio Branco. As colunas das roldanas para a construção da ponte suspensa foram erguidas, mas no rio Acre já não passavam os antigos navios a vapor para o comércio da borracha. O antigo projeto nasceu, portanto, ultrapassado.

"Poucos anos depois de construída a ponta da ponte, que fica no Segundo Distrito da cidade, ruiu, metade dela caiu no rio Acre. O barranco que hoje já esta reconstituído à época tinha derretido e a ponte então foi parcialmente desmontada, ficando as partes constituintes da roldana desmontadas e jogadas à beira do rio Acre no lado do Primeiro Distrito", conta Sueli.

Uma outra ponte alvenaria foi erguida e a antiga ponte de metal ficou ultrapassada. Sua estrutura de elevação - que incluía as roldanas que estavam enterradas nos barrancos próximos ao Mercado dos Colonos - foi completamente retirada, sendo reconstruída entre o fim dos anos 70 e início dos anos 80, ganhando o aspecto que tem hoje.

"O projeto da ponte metálica foi pensado para uma época em que grandes navios a vapor percorriam o rio Acre, por isso ela possuía grandes roldanas que deveriam suspender o vão central. Os anos passaram, a economia da borracha entrou em decadência e os grandes navios a vapor viraram história do passado. A estrutura que iria suspender a ponte também", comenta Sueli.


Agência de Notícias do Acre

Enviar para o Twitter

Sena agradece a decisão do TRE

Jaidesson Peres

Ao contrário de outras decisões, hoje o Tribunal Regional Eleitoral fez jus à campanha do ano passado contra a compra de votos. Apesar de uma decisão apertada, quando três membros votaram contra a cassação e três a favor, Arquilau de Castro Melo, presidente do TRE, sensato e preocupado com a democracia, preferiu manter a decisão da corajosa juíza de Sena Madureira.

Sabemos que em Sena Madureira, assim como em todo o Estado, a compra de votos é uma prática corriqueira. São muitos os politiqueiros que se utilizam da ignorância e da pobreza dos eleitores. Ganham os pleitos por meio do dinheiro, das riquezas!


Mas, para a alegria dos que não concordam com a corrupção e com essa plutocracia que se instalou em nossa terra, a Justiça cassou o mandato do prefeito que mais envergonhou os sena-madureirenses, do prefeito que mais acumula denúncias em sua gestão. Foi uma vitória para a democracia, não para a oposição!

A livre e espontânea vontade da população deve prevalecer sobre qualquer tipo de esquema ou fraude. Não podemos dar tempo para pessoas acusadas de desviar nosso dinheiro, de gerir mal os recursos públicos.

Creio que, a partir de hoje, remediou-se um câncer maldito que apodrece a democracia. Ficará na história essa decisão. Teremos orgulho de contar a nossos filhos e netos, futuramente, que em Sena Madureira não há espaço para práticas ilícitas na política. Que venham novos ares!

Enviar para o Twitter

Saída de Marina é maior problema do PT para 2010, diz jornal inglês



Um artigo publicado nesta terça-feira pelo site do jornal inglês The Guardian destacou a saída da senadora Marina Silva (AC) do PT como "o maior problema a abalar" a sucessão presidencial no Brasil e a popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Na opinião do colunista Conor Foley, Marina era a segunda maior personalidade internacional do PT depois de Lula e sua candidatura à Presidência em 2010 pelo PV pode não sair vitoriosa, "mas fatalmente irá enfraquecer" a candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Roussef.
O colunista também afirma que a candidatura de Dilma, a qual o PT espera que "se contagie com a crescente popularidade internacional de Lula", ainda está atrás dos dois potenciais candidatos do PSDB: o governador de Sâo Paulo, José Serra, e o governador de Minas Gerais, Aécio Neves.


O artigo do jornal inglês, intitulado "Brasil depois de Lula", enumera os "impactos" sofridos pelo PT nas últimas semanas. Entre eles, as acusações de corrupção no Senado contra o presidente José Sarney (PMDB-AP), definido pelo colunista como "o resumo do que muitos brasileiros consideram o pior da política do seu País". O artigo também comenta o fato do PT ter exigido dos seus senadores que apoiassem Sarney, o que provocou a saída de diversos políticos do partido, entre eles Marina Silva.


Na opinião do colunista, Marina representa "uma ligação mais profunda e emocional com as raízes do PT" do que os dissidentes do partido da época do escândalo do mensalão, como a deputada federal Luciana Genro (Psol-RS) e a ex-senadora Heloisa Helena (AL). Neste sentido, destaca dados da biografia de Marina, como o analfabetismo até o início da adolescência, o fato que ela se filiou ao partido junto com o sindicalista Chico Mendes, assassinado no Acre em 1988, e que foi a senadora mulher mais jovem já eleita no Brasil.


Por fim, o colunista conclui afirmando que o PT "sempre foi mais fraco do que o seu carismático líder", mas que a perda de Marina Silva "torna ainda mais difícil para o partido definir o que ele ainda representa".

Redação Terra

Enviar para o Twitter

Debate sobre jornada de trabalho termina sem consenso

O debate sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 231/95, que reduz de 44 para 40 horas a carga horária semanal, sem diminuição do salário, terminou hoje no plenário da Câmara de Deputados sem um consenso sobre o impacto da aprovação da medida para o mercado de trabalho.
Na avaliação dos trabalhadores, a diminuição das horas trabalhadas é fundamental para o aumento da geração de empregos no país. Por outro lado, os empresários disseram que existem dúvidas sobre se esse objetivo realmente será atingido.

O presidente da Câmara, Michel Temer, destacou que o projeto é bastante polêmico e, portanto, era necessário o debate para que, depois, ele seja colocado em votação. Por enquanto, não há data para que isso aconteça. Segundo Temer, a votação ainda deverá ser discutida em reunião com os líderes de governo.


Para o deputado Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT-SP), os pontos da proposta que podem ser negociados com os empresários são o prazo para viabilização da redução da jornada de trabalho e a hora extra. A PEC 231/95 prevê uma elevação do valor da hora extra de 50% para 75%. "Vamos trabalhar para tentar fazer um acordo", afirmou Vicentinho.


Para a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, a diminuição da jornada de trabalho vai provocar um aumento no custo da produção, que acabará sendo repassado para todos os brasileiros. "Não podemos perder o foco. Precisamos saber o benefício disso", destacou. "Estamos acostumados em ver atitudes populistas. Não podemos permitir que enganem os brasileiros", completou. "Não adianta fazer 'economágica'", disse ainda Kátia Abreu.
Agência Estado

Enviar para o Twitter

'PSDB já está fora' do Conselho de Ética, diz Guerra

O PSDB deve formalizar hoje à tarde sua retirada do Conselho de Ética do Senado. O presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra (PE), que integra o colegiado, informou que "o PSDB já está fora do Conselho". Além do parlamentar pernambucano, os tucanos têm outra vaga de titular, ocupada pela senadora Marisa Serrano (MS), e uma suplência exercida pelo líder da bancada na Casa, Arthur Virgílio (AM).

Segundo Guerra, a bancada do PSDB vai se reunir no tradicional almoço das terças-feiras, no gabinete do senador Tasso Jereissati (CE), mas há um consenso em relação ao Conselho de Ética. "No formato como está e com essa orientação representando maiorias e minorias, com interesses partidários, o Conselho não serve mais", disse.

Embora senadores da base aliada e da oposição já tenham defendido a extinção do colegiado, o PSDB e o DEM estão discutindo uma proposta alternativa. A ideia é manter o Conselho de Ética em funcionamento com apenas um representante de cada partido para acabar com a luta política interna. Na visão dos tucanos, o colegiado se transformou em um terreno loteado entre os partidos. O senador Tião Viana (PT-AC) foi um dos que chegou a defender a extinção do colegiado, mas, em conversa com PSDB e DEM, revelou que já recuou desta ideia e aceita discutir um novo formato.

Agência Estado

Enviar para o Twitter

Bolívia abre mão de prazo para remoção de brasileiros da fronteira


FABIANO MAISONNAVE
enviado especial da Folha de S.Paulo a La Paz

Atendendo a um pedido do colega Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente Evo Morales concordou em não exigir mais a saída até dezembro dos brasileiros que vivem ilegalmente na zona de fronteira, conforme estava inicialmente previsto em acordo bilateral.

Segundo a Folha apurou, Lula, por sua vez, também se comprometeu com Morales em ajudar os brasileiros que queiram regressar ao Brasil. Os dois se reuniram no último sábado (22), em Villa Tunari (Bolívia).

Na prática, a conversa deve gerar a revisão do projeto original, que incentiva os brasileiros ocupando terras na faixa de 50 km da fronteira boliviana (o que a lei local proíbe) a se mudarem para outras áreas mais no interior da Bolívia.

No departamento amazônico do Pando (norte da Bolívia), onde está a maior parte dos brasileiros em zona de fronteira, o projeto provocou forte descontentamento. Os brasileiros têm resistido a se mudar para dentro do inóspito interior boliviano, e muitos preferem cruzar a fronteira de volta.

A tensão na área aumentou ainda mais com a transferência, no início do mês, de centenas de colonos bolivianos trazidos de outras área do país pelo governo Morales.

Entre os brasileiros, há o temor de perder benfeitorias, como casas e plantações, para os recém-chegados.

A maior parte dos brasileiros é formada por famílias pobres do Acre que vivem da extração da castanha e da borracha, além de praticar agricultura em pequena escala.

Muitos estão há décadas na Bolívia, mas a grande maioria nunca regularizou a sua situação e não fala espanhol, devido à grande presença de brasileiros e ao isolamento da região com o restante da Bolívia.

As estimativas das famílias brasileiras na região variam de 400 a mil famílias. No próximo mês, a OIM (Organização Internacional para as Migrações) planeja um cadastro definitivo de quem deve sair da região.

Fruto do acordo entre Brasília e La Paz, a OIM, organização internacional cuja sede regional fica em Buenos Aires, recebeu R$ 20 milhões do governo Lula para realizar o trabalho de reassentamento dos brasileiros, mas quase nada foi realizado até agora.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, Morales demonstrou estar satisfeito com a visita de Lula, cujo ponto alto foi a concessão de uma linha de crédito de US$ 332 milhões do BNDES para a construção de uma rodovia. "[O Brasil] é um dos países que lideram a região por sua participação na integração da América do Sul e da América Latina", afirmou o boliviano.

Enviar para o Twitter

Fidel diz que direita racista bloqueia avanços de Obama


HAVANA (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está tentando realizar avanços positivos para seu país, mas é combatido a cada passo que dá por direitistas que o odeiam por ser negro, escreveu na terça-feira o ex-líder cubano Fidel Castro.

Em uma coluna surpreendentemente conciliatória sobre Obama, Fidel disse que o presidente herdou muitos problemas de seu antecessor George W. Bush e que está tentando resolvê-los, mas que a "poderosa extrema direita não se resigna a nenhuma medida que em um grau mínimo diminua suas prerrogativas".

Fidel Castro escreveu que Obama não pretende mudar o sistema político e econômico dos EUA, mas "apesar disso, a extrema direita o odeia por ser afroamericano, e combate o que o presidente faz para melhorar a imagem deteriorada do país".

"Não guardo a menor dúvida de que a direita racista fará o possível para desgastá-lo, obstaculizando seu programa para tirá-lo do jogo por uma ou outra via, com menor custo político possível ... Tomara que eu me engane!", escreveu o ex-governante em sua coluna na página na Internet www.cubadebate.cu.

Fidel Castro escreve para meios estatais cubanos e tem criticado duramente Obama em certas ocasiões, ocasionalmente o elogia e também já disse que o observa rigorosamente para ver se é sincero com relação ao que disse sobre mudar a política do seu país com Cuba.

Obama declarou que pretende colocar um fim nos 50 anos de hostilidades entre Washington e a ilha caribenha e aliviar o embargo comercial que seu país impôs ao governo comunista.

O presidente dos EUA, no entanto, já disse que o embargo só será retirado se Cuba mostrar progressos com relação aos direitos humanos e os presos políticos, dois temas que o presidente Raúl Castro se propôs a discutir.

Fidel, com 83 anos, governou Cuba durante 49 anos depois de chegar ao poder com a revolução de 1959, mas deixou a presidência no ano passado, que passou a ser ocupada pelo seu irmão Raúl.


(Por Jeff Franks)

Enviar para o Twitter

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Tião Viana diz que patrimônio omitido foi declarado no IR de sua mulher


da Folha Online, em Brasília


O senador Tião Viana (PT-AC) divulgou nota nesta segunda-feira para explicar a acusação de que teria ocultado da Justiça Eleitoral, em 2008, um terreno em condomínio residencial de Rio Branco (AC). Viana afirma, na nota, que obedeceu à legislação eleitoral uma vez que o imóvel está em nome da sua mulher e consta na declaração dela do Imposto de Renda.


"O senador Tião Viana tem a declarar que cumpriu a lei 9.504, que diz, em seu artigo 11, que o candidato deve apresentar sua declaração de bens e foi o que ele fez à Justiça Eleitoral. Quanto ao terreno, adquirido à época pelo valor de R$ 30 mil, o senador esclarece que o mesmo foi comprado por sua esposa e encontra-se registrado em cartório, constando de todas as declarações de renda da mesma", diz a nota.


Leia também:





Reportagem da Folha publicada nesta segunda-feira afirma que, em sua campanha para senador, em 2006, Viana não declarou um terreno que comprara dois anos antes no melhor condomínio residencial de Rio Branco, cujo valor foi registrado em R$ 30 mil; e no qual construiu uma casa, concluída em maio de 2007, que foi avaliada, pela prefeitura, em R$ 600 mil.

A assessoria do senador alegou que o terreno não foi declarado à Justiça Eleitoral porque pertencia à sua mulher, Marlúcia Cândida Viana. Mas, como o senador é casado em regime de comunhão total de bens, o imóvel pertence aos dois, segundo tributaristas ouvidos pela Folha.
José Sarney (PMDB-AP) não informou à Justiça Eleitoral a casa onde mora, em Brasília, avaliada em R$ 4 milhões, e atribuiu a omissão, primeiro, a um erro de seu contador e, depois, a mero "esquecimento".


Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, a legislação eleitoral não prevê punição para candidatos flagrados nesta situação. O artigo 11 da lei 9.504 (que define as normas para as eleições), apenas lista, entre os requisitos para o registros das candidaturas, a necessidade de apresentação de declaração de bens assinada pelo candidato.

Enviar para o Twitter

Presidentes latinos, cada vez mais apegados ao poder


Com apoio do Estados Unidos, Alvaro Uribe, presidente colombiano quer terceiro mandato.

Clique aqui e leia contéudo completo

Enviar para o Twitter

Votação do Estatuto da Igualdade Racial divide movimento negro

Enviar para o Twitter

STF deve livrar Palocci e abrir caminho para 2010


Pizza à moda do Supremo


O deputado e ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci (PT-SP) deve se livrar nesta semana, no Supremo Tribunal Federal (STF), da suspeita de que teria ordenado a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa, o que ajudaria seus planos políticos para o ano que vem. Por tabela, também deverão se livrar da acusação o ex-presidente da Caixa Econômica Federal (CEF) Jorge Mattoso e o ex-assessor de imprensa de Palocci no Ministério da Fazenda, o jornalista Marcelo Netto, suspeitos de envolvimento na quebra do sigilo.

Segundo informações obtidas pela reportagem, a maioria dos ministros vai concluir que não há provas materiais de que Palocci tenha mandado subordinados quebrarem o sigilo do caseiro. Em 2006, Francenildo revelou ao jornal O Estado de S. Paulo, em entrevista exclusiva, que Palocci frequentava reuniões com lobistas numa casa em Brasília.


Uma decisão do STF concluindo pela inocência de Palocci ajudaria seus planos políticos. O deputado do PT é considerado uma espécie de "curinga" pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Atualmente, é cotado tanto para substituir o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro - que assumirá uma cadeira no Tribunal de Contas da União (TCU) -, como para ser candidato ao governo de São Paulo.


Em entrevista dada ao jornal, o caseiro disse que Palocci frequentava as reuniões em uma mansão em Brasília nas quais ocorriam partilha de dinheiro que chegava numa mala. Em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bancos, ele afirmou que Palocci era chamado no local de "chefe". Dias depois da entrevista, Francenildo teve sua conta na CEF violada. Surgiram suspeitas de que a quebra do sigilo tinha sido determinada pelo ministro da Fazenda. Como consequência, Palocci, na época um dos principais ministros da equipe de Lula, caiu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Enviar para o Twitter

domingo, 23 de agosto de 2009

Dado Dolabella é o vencedor de a Fazenda



Com 83% dos votos do público, Dado Dolabella conquistou o título de campeão do reality show A Fazenda, da Rede Record. Como prêmio, ele levará para casa R$ 1 milhão.
Clique no banner acima e comente no Blog da Fazenda

Dado disputava a final com Danni Carlos, que ganhou um carro dos patrocinadores do programa.

O envelope com o resultado final das votações chegou ao palco nas mãos de Gugu Liberato, recentemente contratado pela emissora. A final do programa reuniu os ex-participantes (chamados de ex-peões), familiares, amigos e fãs em uma festa com show da dupla Pedro e Thiago (Pedro Leonardo foi o quarto colocado no programa) e participações especiais de Carlinhos, Babi e Jonathan nos vocais.

Dado recebeu o cheque de R$ 1 milhão das mãos de Britto Jr, apresentador do programa. Ele comemorou a vitória com a noiva Viviane Sarahyba, que em poucos meses dará a luz a Valentin, primeiro filho do casal e com a mãe, a atriz Pepita Rodrigues.
Agência Estado

Enviar para o Twitter

Planalto vai tirar Dilma de cena e reforçar blindagem

Alvo de constantes estocadas da oposição, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, sairá de cena por no mínimo uma semana, em setembro, após o anúncio do marco regulatório do pré-sal, no próximo dia 31.
As férias da ministra, pré-candidata do PT à Presidência, coincidem com a nova estratégia do Planalto para reforçar sua blindagem. A partir de agora, líderes do PT e do governo no Congresso, dirigentes petistas e até ministros ficarão responsáveis por uma espécie de "comitê" da pronta resposta na Esplanada. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer que a concorrente do PT apareça apenas em agendas positivas, como o anúncio do novo modelo de exploração do petróleo, daqui a oito dias.

Lula constatou que Dilma continua "assoberbada" de trabalho e não pode mais acumular a gerência do governo com a coordenação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), os projetos sobre o pré-sal e as atividades de campanha. O descanso foi sugerido pelos médicos logo depois que a ministra terminou, na semana passada, o tratamento de radioterapia para combater um câncer no sistema linfático.
Dilma está preocupada com o bombardeio na sua direção. Em reunião realizada na quarta-feira, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)- sede provisória do governo -, a ministra negou diante de colegas e dirigentes do PT que tenha feito qualquer solicitação à então secretária da Receita Federal Lina Vieira. Demitida do cargo, Lina acusou Dilma de ter pedido a ela para "agilizar" investigações do Fisco sobre a família do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).


Convocada pelo chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, para definir o roteiro que seria cumprido poucas horas depois pelo PT no Conselho de Ética, a fim de salvar Sarney, a reunião daquele dia também tratou da blindagem de Dilma. A avaliação foi de que os ataques à chefe da Casa Civil vão crescer e é preciso protegê-la. Dilma disse não entender por que Lina quis arrastá-la para nova crise. "Eu nem sabia que ela seria demitida", afirmou. Para o Planalto, o depoimento de Lina à Comissão de Constituição de Justiça do Senado, na terça-feira, exibiu uma mulher "contraditória e evasiva", que não conseguiu provar as acusações.


Mesmo assim, o governo está convencido de que é necessário tomar providências para evitar que a oposição cole em Dilma o carimbo de "mentirosa". A ordem é partir para o confronto e, se o alvo for relacionado a alguma medida administrativa, comparar com a gestão do tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). "Faz tempo que nossos adversários querem desconstruir a imagem da Dilma", afirmou o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). "Quem tem de fazer o contraponto na política somos nós, e não ela."


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Enviar para o Twitter

sábado, 22 de agosto de 2009

Lula cobra de Morales legalização de brasileiros


Sydney Munn

Presidente ainda defendeu a recondução de Manuel Zelaya ao cargo em Honduras


Em discurso neste sábado na cidade boliviana de Chimoré, o presidente Lula cobrou o companheiro Evo Morales pela legalização dos brasileiros que moram no país, principalmente os que vivem nas áreas de fronteira. O presidente brasileiro lembrou que assinou um decreto em julho deste ano anistiando os estrangeiros que viviam ilegalmente no Brasil.


Lula disse ainda que, desde 2005, cerca de 50 mil bolivianos foram beneficiados com a decisão. "Estou seguro que a regularização dos brasileiros na Bolívia também será tratada com carinho pelo governo boliviano", afirmou.


De acordo com Lula, o Brasil deu exemplo anistiando estrangeiros com situação ilegal no país em plena crise. “A crise econômica é responsabilidade dos ricos e não dos pobres", emendou.Lula defendeu ainda a recondução do presidente de Honduras, Manuel Zelaya, ao cargo. "Devemos condenar o retrocesso político em Honduras e exigir o retorno imediato e incondicional do presidente Zelaya”, concluiu.

Enviar para o Twitter

SP, RJ e DF protestam contra permanência de Sarney


Sydney Munn

Caras pintadas, nariz de palhaço e caixas de pizza fizeram parte das manifestações deste sábado


Protestos organizados pela internet contra José Sarney marcaram o sábado em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. Na capital paulista, cerca de 300 estudantes participam de uma manifestação contra a permanência de Sarney na presidência do Senado.


Após reunirem-se no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, os manifestantes seguiram em passeata. Muitos utilizavam a cara pintada, relembrando o movimento contra o ex-presidente Fernando Collor.


O grupo ficou reunido por cerca de meia hora no edifício Solar de Vila América, na Alameda Franca, onde Sarney possui 3 apartamentos. Na capital federal, cerca de 35 estudantes protestaram por cerca de uma hora em frente à residência de José Sarney, no Lago Sul, em Brasília, com nariz de palhaço, caixas de pizza, panelas e colheres de pau.


Sarney não estava em casa, mas cinco viaturas da Polícia Militar e seguranças do Senado acompanharam o protesto, que ocorreu sem nenhum problema.


No Rio de Janeiro, a manifestação ocorreu no Flamengo, em frente à casa do Presidente do Conselho de Ética, senador Paulo Duque. Três caixas de pizza vazias foram deixadas no chão de mármore da entrada do prédio. Com faixas, panelas, apitos e um carro de som, o grupo ficou no local por uma hora e meia. O comando do 2.º Batalhão da PM mandou 8 policiais armados de fuzis, que pediram aos manifestantes que não ocupassem a calçada do prédio e que desligassem o carro de som.


Jovem Pan

Enviar para o Twitter

Veja o que muda nas farmácias e drogarias


Enviar para o Twitter

Site e sistemas da Anvisa ficarão fora do ar

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informa que o site eletrônico e todos os sistemas e serviços informatizados providos pela Agência, inclusive a sua Intravisa, ficarão indisponíveis do dia 28 de agosto (sexta-feira), a partir das 20h, até o dia 30 (domingo).


De acordo com a Gerência Geral de Gestão de Tecnologia da Informação (GGTIN), a interrupção se deve a migração dos servidores de informática para o novo Centro de Processamento de Dados, instalado no Complexo da Anvisa, em Brasília.

O novo ambiente, com sala-cofre certificada com marca de segurança da ABNT, estará protegido contra ameaças físicas e paradas não programadas ou perda de informações.


Informações: Ascom/Assessoria de Imprensa da Anvisa

Enviar para o Twitter

SNGPC: Lista de inconsistências é atualizada

Informe da Anvisa
A Coordenação do SNGPC destaca que um medicamento ou insumo é considerado inconsistência quando as informações buscadas pelo sistema, através do número de registro (medicamentos) ou DCB (insumos), estiverem diferentes das existentes na embalagem do medicamento ou quando os dados não são encontrados pela base de dados no momento da entrada do inventário.

Atualmente, apenas três medicamentos são tidos como inconsistências: CICLOPLÉGICO, ZYBAN, e Carbamazepina (genérico da empresa Abbott).
A movimentação destes deve ser mantida através de escrituração por meio de livro de registro até a correção na base de dados utilizada pelo sistema.

Outros casos que eram considerados inconsistências e já foram resolvidas são: EFEXOR, FENOCRIS, LORAX, NORDITROPIN, VENLAXIN, CELEBRA e ROHYDORM. A movimentação de tais medicamentos deve ser informada através do SNGPC normalmente. Lembrando que, caso a drogaria tenha estes medicamentos em estoque, o Responsável Técnico deve aguardar o esgotamento deste estoque, escriturando suas movimentações no livro e, assim que ocorrer uma nova compra deste produto, lançar normalmente como entrada no arquivo de movimentação XML.
O endereço permanente de acesso ao Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC) é http://www.anvisa.gov.br/hotsite/sngpc/index.asp

Enviar para o Twitter

Lula deseja sorte a Marina em sua escolha longe do PT


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desejou que a senadora Marina Silva (AC) seja feliz na opção que fez, de deixar o PT, com a promessa de entrar no Partido Verde (PV) e disputar a sucessão dele no ano que vem. E levantou dúvidas sobre a possibilidade de ela dividir o eleitorado petista e tirar votos da candidata oficial, Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil, lançada por Lula dois anos antes da eleição.

"A única coisa que desejo para a Marina é paz e tranquilidade, que ela acerte na nova vida dela e que seja feliz", disse Lula na saída do hotel em que pernoitou, em Rio Branco, de onde seguiu para um encontro com o presidente da Bolívia, Evo Morales. Ele afirmou não ter estranhado o fato de estar no Acre e, desta vez, ao contrário das anteriores, estar longe Marina. "Sem problemas. Já vim aqui muitas vezes e a Marina não estava".

Em seguida, o presidente levantou dúvidas sobre a capacidade de Marina de dividir a legenda. Disse que nem ele consegue fazer isso. "É muito difícil dividir o eleitorado do PT. Acho que nem eu divido. Petista é igual a flamenguista e corintiano, não se divide nunca". O presidente afirmou ainda que não podia manifestar opinião a respeito da decisão do senador Aloizio Mercadante (SP), que anunciou a renúncia, em "caráter irrevogável", da liderança do PT no Senado, e desistiu da ideia. "Não vi o discurso (dele), não vi".

Lula passou parte da tarde de sexta-feira em Rio Branco, onde visitou um canteiro de obras de casas populares feitas pelo governo do Acre, e participou da cerimônia de assinatura de autorização da Caixa Econômica Federal para o financiamento de construção de 4 mil residências. Somadas a outras 6 mil que o governo acreano está fazendo, serão 10 mil casas. "É o maior programa de construção de casas populares da história do Estado", comemorou o governador Binho Marques (PT), ao lado de Lula.


Agência Estado

Enviar para o Twitter

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Rio Branco: apenas três drogarias mantêm farmacêuticos no atendimento ao público


Com a nova resolução da Anvisa, todas as farmácias e drogarias terão que adaptar-se até fevereiro de 2010


Na capital do Acre, Rio Branco, apenas três drogarias do setor privado mantêm farmacêuticos no atendimento ao público consumidor de medicamentos. São as drogarias: Globo do Bosque, Pague Menos do Centro e Araújo do Aviário. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa –, cabe ao profissional zelar pela manutenção da qualidade e segurança dos produtos ofertados.

“Temos que fazer poucas mudanças para adaptar-nos às novas regras”, comenta o farmacêutico da Drogaria Globo, Geraldo Selhorst, 57 anos, que cumpre uma carga horária que, às vezes, chega a passar das oito horas diárias. Geraldo terá que providenciar uma nova farda para se diferenciar dos demais funcionários, é o que diz a nova legislação.
Geraldo Selhorst. Farda que identifica o farmacêutico faz parte das novas exigências da Anvisa




A resolução de número 44, publicada nesta segunda-feira 17, pela Anvisa, prevê mudanças profundas nas drogarias e farmácias. Vai da obrigação de uso de toalhas descartáveis nos banheiros, passando por exigências de que funcionários usem uniformes devidamente limpos, culminando na proibição da venda de objetos estranhos às drogarias como, por exemplo, refrigerantes e chocolates, que são produtos corriqueiros na maioria desses estabelecimentos comerciais.

A farmacêutica Ana Valéria de Souza, 27 anos, acredita que o acordo salarial entre técnicos e donos de drogarias será o maior desafio. “Muitos bioquímicos e farmacêuticos são empregados do governo [estadual e/ou municipal]. Restarão alguns poucos disponíveis no mercado, e estes terão que ter um salário bem atrativo para passar oito horas diárias à frente de uma drogaria”, analisa.

“Três salários mínimos é o que ganha a maioria desses profissionais [farmacêuticos]. Eles não chegam a cumprir sequer uma única hora em todo o mês. Apenas assinam os papéis, pegam o dinheiro e vão embora”, afirma um dono de drogaria que pede para não ser identificado.

Há três meses, a Drogaria Bela Farma batalha para contratar um farmacêutico, e não consegue. “Já enviei duas cartas ao Conselho Regional de Farmácias, e ainda estou sem resposta”, informa o proprietário da Bela Farma, José Maria Assis Alencar, 34 anos.

“O fato de apenas três drogarias, no universo de quase uma centena, possuir farmacêutico de plantão deflagra a ausência de uma política pública de saúde para o setor. Os empregos existem, o que falta são profissionais qualificados dispostos ao trabalho”, lembra outro proprietário de uma drogaria no bairro Floresta.


O Acre não dispõe de curso superior de farmácia. Como o Estado não forma profissionais na área - não resta alternativa -, tem que importá-los de outros Estados. É o que planeja fazer Edson Oliveira, 35 anos, proprietário da Rede Drogaria Popular. “Se for necessário, irei a São Paulo contratar. Mas o que quero mesmo é empregar pessoas do nosso Acre. Alguns dos nossos farmacêuticos acabaram de passar no concurso do Estado. Mas garanto que, dentro do prazo de seis meses, cumpriremos as novas regras”, declara.

O proprietário da Drogaria Pague Menos do Bosque, Marcos Roberto, 29 anos, avalia que todas as drogarias do Acre terão dificuldades para cumprir as novas regras. “É necessário um entendimento entre todos: drogarias, Anvisa e farmacêutico”, finaliza.

Faça download:

resolução RDC 44/09 (PDF)

Veja quais são os medicamentos que podem ficar ao alcance do consumidor (PDF).

Saiba quais produtos podem ser comercializados (PDF)

Leia também:

Anvisa anuncia novas regras para farmácias e drogarias

Enviar para o Twitter

Lula elogia Marina e descarta crise no PT



BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira que não há crise no PT do Senado, a despeito da defecção de dois importantes senadores do partido, e exaltou sua relação de 30 anos com Marina Silva (AC).

Marina, potencial adversária do governo nas eleições de 2010, despediu-se da bancada na véspera.

Ela e o senador Flavio Arns (PR) deixaram a legenda em meio a uma das maiores crises éticas do Senado.

Arns saiu porque não concordou com a posição claudicante do partido em relação ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e alvo de diversas denúncias. Marina saiu porque estava insatisfeita e deve se filiar ao PV e lançar seu nome à sucessão contra a ex-colega de Esplanada Dilma Rousseff.

"Eu não vejo crise no PT", respondeu Lula em entrevista a rádios do Rio Grande do Norte.

A possível entrada de Marina na disputa deve complicar os planos do presidente de ter uma eleição plebiscitária no ano que vem. A candidatura dela poderia, ainda, puxar o deputado Ciro Gomes (PSB-CE), interessado em concorrer, mas de uma ala muito próxima ao presidente.

Ex-ministra do Meio Ambiente, a senadora deixou o posto decepcionada com o pragmatismo do governo na questão ambiental.

"Todo mundo sabe que a minha relação com a Marina é uma relação superior à relação partidária. Conheço a Marina há 30 anos, não são 30 dias", disse o presidente.

"Mas se a pessoa quer sair de um partido e não está confortável, eu acho que é um direito da pessoa. A minha relação com a Marina não muda absolutamente nada e continuo gostando dela e continuo achando um quadro extraordinário."

Diversos especialistas afirmam que a senadora tem potencial de tirar mais votos de Dilma do que do governador José Serra (PSDB), oposicionista e líder nas pesquisas eleitorais até agora

(Texto de Natuza Nery)

Enviar para o Twitter

Julgamento de Nilson Areal é adiado para terça-feira 25

O julgamento de Nilson Areal (PR), prefeito do município de Sena Madureira, foi adiado para próxima terça-feira 25 pelo Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC). Nilson é acusado de compras de votos.

O deputado Mazinho Serafim (PSDB) usou a tribuna da Assembleia Legislativa durante a sessão desta quarta-feira, 19, para falar sobre o caso. O parlamentar disse ter em mãos depoimentos que confirmam a compra de votos por parte do administrador nas ultimas eleições, e disse acreditar que os juízes do Tribunal Regional Eleitoral terão a sabedoria necessária para dar ao julgamento a decisão seja justa.

Enviar para o Twitter

Testemunhas dizem que Nilson Areal doou telhas em troca de votos



Jaidesson Peres

Depois de terem modificado parcialmente a versão dos fatos em juízo, as irmãs Ana Paula Martins de Oriar e Ana Maria Martins de Oriar resolveram levar em frente as acusações que pesam contra o prefeito de Sena Madureira, Nílson Areal, por compra de votos em troca de telhas. Em depoimento prestado à Polícia Federal no mês de junho, no mesmo dia em que a juíza Thais Queiroz Borges cassou o mandato de Areal, as irmãs Oriar declararam que, de fato, as telhas foram entregues na residência de seu pai, José Pereira de Oriar, e quem as doou foi o prefeito. Na ocasião, as mulheres disseram que o motivo para terem mudado a versão dos fatos perante a Justiça se deve a um homem conhecido por Chico Conegune, o qual teria pedido para não incriminar Nílson Areal.

O acontecimento em questão reporta-se à denúncia anônima de 29 de setembro de 2008 pela qual se apreendeu uma caminhonete Toyota no bairro Ana Vieira, placa MZT 6366, dirigida por Everaldo Pinheiro Gomes Martins e Ednilson Alencar de Almeida, em que havia 155 telhas de amianto. O veículo pertencia à Cerâmica Silveira e, segundo a apuração da PF, estava sendo usado para distribuir telhas aos eleitores do bairro Ana Vieira, a mando do então candidato Nílson Areal.

Por meio de informações do motorista da caminhonete, os agentes da PF recolheram ainda mais 20 telhas de amianto pertencentes a José Pereira de Oriar, as quais supostamente teriam sido entregues e doadas por Nílson Areal às suas filhas - Ana Paula Martins de Oriar e Ana Maria Martins de Oriar. Também o motorista informou que já tinham sido entregues outras 15 telhas a Benedita Silva Ferreira e a Marivaldo de Souza Ferreira, dessa vez oferecidas pelo cabo eleitoral Antônio Pereira da Silva.

Outro fato incluso na investigação da PF se refere à doação de 180 reais, atribuída a um partidário chamado Francisco Joaquim de Lima, dirigida a Luciano da Silva Araújo para comprar 20 telhas na Cerâmica Silveira.

Conforme o parecer da juíza de Sena Madureira, uma reunião política se realizou na casa de uma senhora identificada como Juliana, no bairro Ana Vieira (às vésperas das eleições), onde estava o prefeito Nílson Areal. As irmãs Oriar aproveitaram a oportunidade para pedir ao prefeito telhas para cobrir a casa delas. O prefeito logo negou, mas depois afirmou que poderia conceder o pedido. Areal teria perguntado se confiaria nelas, quando uma teria dito que os votos estavam garantidos e não contaria nada a ninguém.

Nos três depoimentos, as irmãs Oriar mostraram contradição em relação ao documento que permitia a posse das telhas. A versão mais verossímil, segunda a juíza, seria a do pai delas, José Pereira de Oriar. Ele sustentou que as filhas chegaram de uma reunião na qual estava o prefeito e entregaram a elas um documento pedindo-lhe para solicitar na Cerâmica Silveira a entrega das telhas. José foi à cerâmica com o documento, e o entregou aos funcionários, depois voltou a recebê-lo quando as telhas chegaram à sua casa.

Em juízo, outra testemunha repete que foi visitado por Areal, o qual entregou um papel para autorização de entrega das telhas pela Cerâmica Silveira. Sebastião Freire Dias conta que entregou o documento ao comércio para entrega na residência de Francisco Faustino, entretanto as telhas não chegaram ao lugar indicado. De acordo com Sebastião, o prefeito nessa ocasião visitava a casa da irmã dele, onde não pediu votos, nem distribuiu “santinhos”. Relata o pedido de 50 reais que fez a Areal, sendo que o dinheiro foi entregue no mesmo dia, por um rapaz desconhecido.

Quanto à Cerâmica Silveira, um fato chama a atenção. A empresa é propriedade de Antônio Gadelha da Silveira, famoso na cidade pelo apelido de “Paciência”. Paciência é dono também da construtora Konstruir e aliado incondicional de Nílson Areal. As duas empresas são responsáveis pelo fornecimento de material de construção à Prefeitura. Além do mais, Chico Conegune, o que se empenhou para que a família Oriar mudasse de opinião no interrogatório, é um empresário que executa várias obras da Prefeitura.

Areal venceu as eleições contra a sua adversária Toinha Vieira por 9.555 votos, mas tem seu mandato sub judice em decorrência da suspeita de compra de votos. O julgamento do mérito do recurso impetrado pela coligação Frente Popular de Sena ocorre nesta quinta-feira, 19. Questionou-se ainda o resultado das eleições em Sena Madureira em razão dos fortes indícios de fraudes no processo eleitoral.

Enviar para o Twitter

Mazinho destaca julgamento de Nilson Areal

Mircléia Matos


O deputado Mazinho Serafim (PSDB) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa durante a sessão desta quarta-feira, 19, para falar sobre o julgamento do prefeito Nilson Areal (PR) prefeito do município de Sena Madureira, que acontecerá na tarde desta quinta-feira, 20, no Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC).


O parlamentar disse ter em mãos depoimentos que confirmam a compra de votos por parte do administrador nas ultimas eleições, e disse acreditar que os juízes do Tribunal Regional Eleitoral terão a sabedoria necessária para dar ao julgamento a decisão seja justa.


“Esses depoimentos não estavam inclusos nos processos, ainda não sei se vão ser acatados, mas ontem fui ate o TRE, ao gabinete da desembargadora Evan Evangelista, e protocolei esses depoimentos para que amanhã ela possa tirar suas próprias conclusões sobre o assunto”, disse.



Quanto à saída da senadora Marina Silva do Partido dos Trabalhadores (PT), Serafim também se manifestou: “Para nós não muda nada, muda para Frente Popular que tanto fala que a oposição é desunida. Essa saída da Marina apenas reforça a desunião que existe na FPA, porque a vida dos seringueiros e ribeirinhos continua a mesma coisa, pois as dificuldades são enormes para esse povo. Apenas digo que quando a imprensa nacional vir ao Acre mostrará apenas a verdadeira casa de uma senadora que passou pelos ministérios e nada fez para mudar a realidade do seu povo”, finalizou.


Agência Aleac

Enviar para o Twitter

Binho diz que amizade com Marina é inabalável, mas seu voto é do PT

Em coletiva nesta quinta-feira, governador falou sobre a saída da Senadora do Partido dos Trabalhadores

Tatiana Campos


Desde a campanha para o Centro Acadêmico de História, na Universidade Federal do Acre, entre 1982 e 1983, esta será a primeira vez que o Arnóbio Marques, ou "Binho", hoje governador do Acre, não acompanhará Marina Maria Osmarina Silva de Lima nas decisões políticas.
Marina Silva, militante e fundadora do Partido dos Trabalhadores no Acre, da Central Única dos Trabalhadores e de um sonho, o de ver o Acre desenvolvido de forma sustentável e com respeito à floresta, não terá o voto do amigo, irmão e compadre Binho, caso seja candidata a presidente da República pelo Partido Verde (PV).

Durante coletiva na manhã desta quinta-feira o governador do Acre precisou abrir o coração para falar sobre a saída de Marina do PT e uma possível candidatura dela à presidência. Abriu o coração porque pela primeira vez em mais de trinta anos de amizade, a escolha política partidária não é a mesma entre os dois.

"Ela não rompeu com o PT, não rompeu com o projeto. O que ela quer é exatamente o que nós queremos. O que pode se diferenciar é o caminho para chegar lá. Para mim, o caminho é este que estou seguindo. É continuar no PT, partido que abriga a minha história.
Tentei convencer a Marina disso e não consegui", disse Binho, se apressando para explicar aos jornalistas de outros Estados que no Acre as coisas são diferentes, embora difícil de entender. "Há uma compreensão desse fato entre todos do partido e isso é algo perfeitamente possível. Marina é muito querida. A amizade, admiração e o respeito continuam intactos. Não serão tocados pela saída dela do PT".

Marina Silva não se convenceu a não deixar o Partido dos Trabalhadores, mas um sentimento é unânime entre os colegas que ficam: o respeito por Marina e por suas decisões. "Primeiro percebi o desinteresse dela em uma reeleição para o Senado. De uns tempos para cá vinha sendo muito difícil animar a Marina para concorrer a um cargo. Sabia que não seria candidata a senadora, principalmente pelo PT. Depois vi que a saída dela do partido era um processo irreversível. Mas conheço a Marina. Ainda não é certo que ela seja candidata a presidência. Ela pode não ser candidata a nada", analisou Binho.

Indagado sobre seu voto caso Marina dispute com o PT a sucessão presidencial, Binho foi claro, firme e direto. Não titubeou ao responder que como militante dos mais rígidos, dono de uma postura ética e uma disciplina herdada da militância em partido comunista seu voto não poderia ser outro. Votará no candidato do Partido dos Trabalhadores. "Com o coração partido e sofrendo muito, não tenham dúvida. Adoro a Marina", confessou.

Candidata natural do PT à uma das duas vagas do Senado, Marina deixa uma dúvida sobre quem vai disputar o cargo. "A Frente Popular tem vinte anos no Acre e muitos quadros bons. Ela ficou unida em torno do meu nome para governo quando eu era apenas traço nas pesquisas. Não tenho dúvida de que este não será o problema. Temos gente qualificada para esta disputa", disse.
Sobre uma possível candidatura ao Senado, Binho, logo após afirmar que tem compromisso com o PT e é fiel às causas partidárias, foi categórico ao dizer que não é candidato e não será.

"Ao sair para o governo houve um compromisso de que eu não seria mais candidato a nada. Não tenho este perfil de parlamentar. Se o próximo governador quiser me contratar para ser secretário eu aceito. Caso não, vou gostar muito de trabalhar nas ZAPs [Zonas de Atendimento Priorioritário] ou na Usina de Arte", comentou.



Enviar para o Twitter