quinta-feira, 13 de agosto de 2009

AUTO-ESCOLAS EDUCAÇÃO OU SIMPLES COMÉRCIO

Filosofando

Todas as quintas

Odion Monte

Em 27 de setembro de 1997, quando entrou em vigor o código de trânsito brasileiro, LEI Nº 9.503, complexa e confusa como toda lei, com 341 artigos, e haja artigos, distante do conhecimento, dos de pouco conhecimentos escolares, viu-se uma ótica sonhadora de que estávamos resolvendo um astronômico problema brasileiro, o trânsito, que tínhamos encontrado a vacina para o mal que por ano mata no Brasil, mais do que muitas guerras armadas em alguns países do oriente médio e áfrica, e hoje vejo que nada mais foi do que uma filosofia de estrada.

Vejamos que a partir de o código de trânsito brasileiro ter entrado em vigor, foi exigida a legalização de milhares de auto-escolas pelo Brasil afora, onde pelo código se exige que simplesmente as pessoas que pleiteei a carteira nacional de habilitação, tenha que participar de um curso de apenas 30 horas de aulas teóricas, e 15 horas de aula prática, e logo em seguida participar de uma prova escrita, e uma outra prática, realizada pelos Detran’s de todo o Brasil, onde, os examinador sem conhecimento nenhum, examinam a todos e dependendo da perícia ou imperícia do candidato, o aprovavam.
Para que ele através da carteira de habilitação se habilite a cometer crimes de trânsito, como até hoje. Muitos condutores recém habilitados, enchem a cabeça de cachaça, e numa farra sem limite saem matando, pelas pistas de rolamento de todas as cidades brasileiras. 2009, doze anos se passaram e o que mudou no trânsito brasileiro pela implantação do novo código? Nada. Absolutamente nada, apenas continuamos a habilitar pessoas a matar.
E quando chegam a época de eleições, os maus políticos, adentram às auto-escolas, e fazem contratos com elas, para que uma nova enxurrada de habilitações sejam jogadas nas mão de muitas pessoas, a cruel troca de “uma habilitação por um voto”. E às auto-escolas, simplesmente estão sendo um simples comércio da habilitação, sem estrutura e sem condições nenhuma de realmente educarem os novos condutores de veículos, se tornando apenas um comércio onde se autorizam as pessoas a matarem.

Enquanto os nossos políticos, e representantes não enxergarem um palmo adiante do nariz, para implantar a o trânsito como educação desde o pré-escolar, em todas as escolas brasileiras, para que talvez dentro de 20 anos tenhamos um trânsito mais humano, vai se matar impunemente pelas ruas das cidades de todo o Brasil, “educação de trânsito nas escolas é trânsito mais humano”, se liga Brasil! Vê se pára de autorizar a matar legalmente.


Odion Monte - contador, especialista em Filosofia Política pela Universidade de Teologia e Filosofia de Rio Branco - Acre (SINAL).É ainda, especialista em Pericia Judicial – UCG – Universidade Católica de Goiás - Bel. em Ciências Contábeis - FIRB/FAAO/AC

Enviar para o Twitter

0 comentários: