quinta-feira, 2 de julho de 2009

CICLISTA O PIOLHO DO TRANSITO


Filosofando
Todas as quintas


Odion Monte

Assim como nos incomoda um espécie de inseto, que ataca principalmente as crianças na fase escolar, pelo grande relacionamento entre elas, seja pelas brincadeiras, abraço, contatos físicos, e também aos adultos que não se cuidam adequadamente, que não lavam a cabeça, não cortam os cabelos, ou deixam a barba crescer de uma forma sem controle e sem limpeza, mas que pode ser exterminado por uma simples higiene adequada, ou ainda pelo uso do “neocide”, e hoje mais modernamente por loções sem danificar o couro cabeludo e sem infectar o corpo humano.
Porém o ciclista no trânsito não se torna de fácil resolução, por suas formas indisciplinadas de pedalar suas bicicletas, seja nas calçadas atrapalhando os pedestres, atropelando-os e até levando-os muitos a morte, como ocorrido com pessoas de idade avançada, ou crianças, no “parque da maternidade” e na inauguração da passarela. Uma tremenda irresponsabilidade dos ciclistas, que sem ao menos olhar para trás, mudam seu caminho, na frente dos carros em alta velocidade, prejudicando a si, e ao condutor do veículo, achando-se os donos da vias.
Mas o grande responsável por inúmeros acidentes, entre ciclistas, pedestres, condutores de veículos, é a falta de educação para o transito, desde a idade infantil, onde esta educação certamente por obrigação dos nossos incompetentes governantes, deveria se iniciar no pré-escolar. Mas preferem muitas vezes gastar “Milhões de Reais” no tratamento dos acidentados, pois assim uma boa parte deste “bolo” é comido pelos “ratos da política”, quando o mais “barato” e simples seria a educação. “Mas como educar num ninho onde os ratos comandam”?...

Odion Monte - contador, especialista em Filosofia Política pela Universidade de Teologia e Filosofia de Rio Branco - Acre (SINAL).É ainda, especialista em Pericia Judicial – UCG – Universidade Católica de Goiás - Bel. em Ciências Contábeis - FIRB/FAAO/AC

Artigos anteriores:

A FRÁGIL DEMOCRACIA NUM BARRIL DE PÓLVORA
O PARTIDO CAMALEÃO
E NA FLORESTA RUFAM OS TAMBORES VERMELHOS
CUPINS VERMELHOS NA FLORESTA VERDE
A FARRA NA CASA DOS BRINQUEDOS

O QUE NÃO ENXERGAMOS POR TRÁS DA “MAQUIAGEM”

O “CHICOTE” QUE AÇOITA SEM CORTE NA PELE

Manchas negras na paisagem verde

A política sem definição

Enviar para o Twitter

0 comentários: