sexta-feira, 22 de maio de 2009

Novas normas do SAC: lei de fato ou de direito?

Coluna Direito Cidadão

Todas as terças e sextas

Egon Coradini

Sempre ouvi falar dos "padrões de direito" e dos "padrões de fato", onde o primeiro é aquele estabelecido e desenvolvido por entidades e organizações oficialmente reconhecidas.
Já o "padrão de fato" é aquele estabelecido pelo mercado ou pela sociedade, que conseguiu por mera adoção ou tolerância ser reconhecido como padrão.No Decreto nº 6.523, de 31 de julho de 2008, o Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere, fixou normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) por telefone e estabeleceu uma "Lei de Direito" (perdoem aqui a liberdade poética) que garante uma maior estabilidade nas regras e, em caso de mudança, uma ampla participação de todos os interessados no debate: consumidores, empresas e governo.

Com essa "Lei de Direito", espera-se que o atendimento a clientes e consumidores através do canal telefônico seja aprimorado, e que as garantias oferecidas pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça sejam honradas pelas empresas de call center e telesserviços.

Das ligações para o SAC gratuitas até os "princípios da dignidade, boa-fé, transparência, eficiência, eficácia, celeridade e cordialidade" no atendimento (capítulo III, artigo 8 do decreto presidencial), não dá para negar que estas são todas condutas muito adequadas para esse importante canal de comunicação com clientes e consumidores, porém deverão ser vigiadas por todos e mantidas na categoria das "Leis de Direito", sem tolerância da sociedade e dos órgãos competentes.No Brasil, fala-se muito das leis que "não pegam" e dos culpados, como o poder público, o privado e a conivência da sociedade.

Muitas vezes não só "não pegam", como são imediatamente substituídas pelas "Leis de Fato", ou aquilo que se pode alcançar quando a transferência da ligação não é feita em até sessenta segundos, como se decreta no momento (capítulo III, artigo 10, parágrafo I).

Nós da indústria de tecnologia da informação, e mais especificamente de consultoria e softwares de gestão do relacionamento com clientes (CRM), acreditamos na mudança e já sentimos o impacto no mercado de call center e telesserviços, onde vários de nossos clientes e prospects vêm realizando investimentos em infraestrutura, softwares e capacitação de profissionais para as novas demandas – o que aparentemente aponta para o respeito à "Lei de Direito".

Os softwares para call centers e sua integração à telefonia são os aparatos tecnológicos que garantirão o nível dos serviços e as condições impostas pelo decreto. Sem esse tipo de tecnologia, a rápida identificação dos recursos humanos mais adequados ao atendimento, a automação na geração e controle das atividades e a definição dos prazos de resolução seriam improváveis. De qualquer forma, o fator humano continua sendo decisivo.

Quando a tecnologia chega ao seu limite, entra em cena o profissional de atendimento capacitado, que entende a demanda dos clientes, que conhece o dia-a-dia da empresa e que respeita a nova regulamentação.Que vença a "Lei de Direito", pois decreta um patamar mais elevado e não impossível de conduta e respeito nas relações de consumo.

Fonte: Call To Call News

Artigos anteriores:

Lei que obriga planos a custear vasectomia e laque...
Minha casa, minha vida: Quem tem nome sujo pode pa...
Dívidas Impagáveis
Crédito consignado exige cautela
Cliente que desiste de consórcio receberá parcelas...
Transparência
Consumidor que pede revisão de conta não pode ter ...
Mesmo com dívida, consumidor pode cancelar o cartã...

Enviar para o Twitter

0 comentários: