segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Irmão de Hildebrando tem prisão decretada

da Folha Online

O juiz Leandro Gross, do TJ (Tribunal de Justiça) do Acre, determinou nesta segunda-feira a prisão do irmão de Hildebrando Pascoal, Pedro Pascoal Duarte Pinheiro Neto, também acusado pelo crime da motosserra, um dos mais bárbaros assassinatos da década de 90.

Pedro se apresentou hoje na Vara do tribunal e foi comunicado da decisão. Ele foi levado ao Quartel da Polícia Militar, no centro de Rio Branco, onde deverá cumprir prisão preventiva.

A prisão foi decretada depois que o advogado do acusado, Anderson da Silva Ribeiro, desistiu de fazer a defesa do réu. Segundo o juiz, a conduta de Pedro revela "intenção deliberada de impedir a realização do julgamento, afetando gravemente a possibilidade da instrução processual e a resolução do caso".

O acusado estava com dois julgamentos marcados para essa semana --hoje e quarta-feira. O juiz marcou novas datas para Pedro ser julgado: no 3 de novembro, pelo crime da motosserra - morte do mecânico Agilson Santos Firmino, o "Baiano", com tiros na cabeça após sessão de tortura; e no dia 23 de novembro, pelo assassinato de Wilder Firmino, filho de Agilson Firmino.

Gross também determinou o prazo de cinco dias úteis para o acusado constituir novo advogado. Após esse prazo, a defesa será exercida pelos defensores públicos que atuam na Vara do Tribunal do Júri.

Na semana passada, Hildebrando, ex-deputado e coronel reformado da Polícia Militar, foi a júri popular e condenado a 18 anos de prisão pelo crime da motosserra.

Segundo a denúncia, ainda vivo, o mecânico teve os olhos perfurados, braços, pernas e pênis amputados com a utilização de uma motosserra, além de um prego cravado na testa. Em seguida, os réus atiraram contra a cabeça do mecânico.

O que sobrou do corpo de Baiano foi jogado em uma hoje movimentada avenida de Rio Branco. O filho de Baiano, de 13 anos, também foi morto.

Enviar para o Twitter

0 comentários: