quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Curso de Jornalismo do Iesacre está dentre os melhores do Brasil


Ac 24 horas

Avaliação é feita pela Editora Abril, que publica as revistas Veja, Caras, Contigo, Quatro Rodas entre outras


O curso de jornalismo do Instituto de Ensino Superior do Acre - Iesacre - recebeu avaliação "três estrelas" e constará na edição especial "Melhores Universidades de 2009" da revista Guia do Estudante, publicação especializada em ensino da editora Abril.


O Iesacre é a melhor faculdade privada do Acre em qualidade de ensino por dois anos consecutivos (2007, 2008), segundo dados do Índice Geral de Cursos - IGC - do Ministério da Educação e Cultura - MEC. Conforme o IGC, o Iesacre é a oitava melhor da Região Norte, ficando à frente de três universidades federais: a do Pará , Tocantins e Amapá.


Apesar do bom desempenho, o Iesacre tem somado perdas depois que se incorporou ao grupo Iuni, conglomerado que administra a Uninorte - avaliada como a pior instituição de ensino superior do Estado (Faculdade Barão do Rio Branco) de acordo com números do MEC.


A carga horária foi reduzida, professores doutores desligados, os laboratórios de jornalismo que funcionavam três períodos, atualmente funcionam somente pela noite, competindo com as aulas presenciais. "Depois de se associar à Uninorte, o Iesacre não consegue mais formar turmas de jornalismo", recorda a acadêmica e radialista Nilda Marks.


O coordenador de jornalismo do Iesacre, Evaldo Pereira, recebeu a informação de que o curso por ele dirigido integra o "grupo das melhores" por meio de Fábio Volpe, diretor de redação de Guia do Estudante. Pereira atribui o bom desempenho ao trabalho realizado pela antiga equipe do Iesacre. "As atividades práticas, a grade curricular e a estrutura física foram avaliadas", destaca.


O Iesacre "colhe frutos" do trabalho da equipe comandada pelo ex-diretor da instituição Sérgio Florido e da ex-diretora-acadêmica Zely Ambrós, que priorizavam a qualidade na seleção dos melhores professores do Acre. Muitos deles deixaram de compor o quadro da instituição, a exemplo de Nilson Euclides da Silva, mestre pela PUC de São Paulo.


A professora Luisa Lessa - pós-doutoranda em lexicografia e lexicologia no Canadá e com doutorado em língua portuguesa pela Universidade Federal do Rio de janeiro - UFRJ - também deixou o Iesacre. A doutora diz que não tinha como continuar lesionando com a metodologia de ensino dos novos donos. "Fui uma das fundadoras do curso. Tinha tudo para ser brilhante; os alunos muitos entusiasmados", finaliza.

Enviar para o Twitter

0 comentários: