quinta-feira, 29 de abril de 2010

Censura acriana circula mundo afora

Universidade do Texas, EUA, expõe casos de censura do Poder Público no Acre
Bastaram apenas 10 dias para que os fatos desmentissem o governador do Acre, Binho Marques, de sua alegação de que no Acre não existiria censura à imprensa.

Dia 13 de abril, Binho afirma: “Com pouca qualidade, muitos profissionais se escoram na desculpa que não tem liberdade”.


Dia 23 de abril, a jornalista Ana Paula Batalha - subeditora e repórter do jornal declaradamente binhista, A Tribuna, é supostamente censurada pela Polícia de Binho.

Dia 27 de abril, mais uma vez a Polícia de Binho entra em cena. Impedi a imprensa de fazer imagens em local público no bairro Mocinha Magalhães – onde casas de famílias despejadas eram destruídas com maquinário pesado. Sem a imprensa para registrar as cenas, o Poder Público esconde-se na sua vergonhosa capacidade de fazer a lei ser cumprida apenas para as pessoas economicamente mais pobres. Para os afortunados, a lei parece nem existir.

“No caso dos jornalistas, a medida atenta contra os artigos 5º, 37º e 220º da Constituição Federal, que tratam da liberdade de imprensa e expressão e dos princípios da administração pública, como a publicidade de suas ações”, lembra a Agência Amazônia de Notícias.

O Knight Center for Journalism, da Universidade do Texas - EUA - (em Inglês, Espanhol e Português), fez relato sucinto e completo da censura acriana. Leia aqui.
Leia também:

Enviar para o Twitter

1 comentários:

DESKCH disse...

Como já dizia Barry Goldwater (foi senador pelo estado de pelo Partido Republicano)"Aqueles que procuram o poder absoluto, mesmo que eles o procurem para fazer o que consideram como bom, estão simplesmente pedindo o direito de forçar suas próprias versões de paraíso na terra; e deixe-me lembrá-los que eles são exatamente os mesmos que sempre criam a mais infernal tirania."