terça-feira, 7 de abril de 2009

Entenda as propostas do MEC para o novo Enem

Prova unificaria o vestibular das universidades federais, tendo validade nacional

Da Redação com Lisandra Paraguassú, de O Estado de S. Paulo

O Ministério da Educação propôs aos reitores das universidades federais que o vestibular seja substituído por um novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O estudante faria, em qualquer Estado, teste com validade nacional e escolheria curso e instituição segundo a nota obtida.

Apesar de o MEC ter passado a ideia de que os reitores das federais já concordaram em ter o Enem pelo menos como uma primeira etapa dos vestibulares, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) diz que o assunto nem mesmo começou a ser debatido. Uma das resistências é o atual formato do Enem, considerado pouco abrangente quando comparado à seleção feita pelas federais.
Entenda as propostas para o novo Enem:

Unificação: O vestibular seria substituído por uma única prova, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ampliado

Prova nacional: A prova valeria para todo o País. O estudante poderia fazer o teste em qualquer Estado e se candidatar às diferentes universidades federais do Brasil. Hoje cada universidade realiza seu processo seletivo com provas e datas diferentes

Escolha posterior: O aluno não precisaria optar por um curso ao se inscrever. Ele faria a prova geral e, com o resultado, poderia decidir o curso que prefere

Segunda fase: Alguns cursos poderiam ter uma segunda fase, com uma avaliação de habilidades específicas da profissão escolhida. A necessidade seria definida pela concorrência e grau de conhecimento necessário para o curso

Mais questões: A prova do Enem seria maior. Hoje são apenas 63 questões e uma redação

Complexidade: As questões passariam a incluir respostas dissertativas, além das de múltipla escolha

Mais áreas: A avaliação contaria com conteúdos específicos, além das questões de conhecimentos gerais

Mobilidade: Mudança permitiria que um candidato do Acre estudasse em São Paulo e vice-versa, aumentando a mobilidade. Hoje, para que isso aconteça, o aluno precisa sair de seu Estado para fazer o vestibular no local determinado pela universidade escolhida
Notícias relacionadas:

Enviar para o Twitter

0 comentários: