terça-feira, 21 de julho de 2009

Binho vai sancionar

Edinei Muniz


O governador Binho Marques resolveu assumir publicamente a defesa doprojeto de sua autoria que almeja garantir que ex-gestores envolvidosem irregularidades na administração sejam defendidos pela PGE. Diantedas declarações, é certo que a lei será sancionada.


Esquece o governador, ou talvez não saiba mesmo, que a advocacia pública destina-se ao patrocínio de interesses de pessoas jurídicas dedireito público, interesses em que prevalece não a vontade do agente, mas a da coletividade consagrada no ordenamento constitucional oulegal. Cabe ao advogado público promover a defesa do Estado (pessoa jurídicade direito público), que não se confunde com a defesa do Governante.


Deve defender o interesse público e o cumprimento das finalidades constitucionais e legais. Defendem, em suma, os interesses permanentes do Estado, e não os interesses daqueles que transitoriamente ocupam o poder.
A turma do Binho, por administrar confundindo o público com o privado, talvez tenha dificuldade para entender que, se interpretadas à luz do princípio constitucional da impessoalidade, as atribuições cometidas à advocacia pública restam ainda mais fortemente atreladas à defesa do interesse público da respectiva entidade federada, na mesma medida em que distanciadas da defesa do interesse particular do administrador.


Na hipótese negativa – ou seja, não havendo interesse público em jogo na ação – é evidente que a intervenção estará desautorizada, mas também é indubitável que a atuação dos advogados públicos em prol do agente acionado representaria tutela de interesse particular.
Ada Pellegrini Grinover, que é Procuradora aposentada em São Paulo, professora da USP, e uma das maiores juristas do Brasil, assim entende sobre a temática:“Institucionalmente, a Procuradoria do Estado é destinada à representação judicial do Estado e à consultoria jurídica das respectivas unidades federadas (Art. 132 da CF).


Não integra, portanto, as funções institucionais da PGE a defesa de servidor espúblicos. Observe-se que a permissão da Constituição estadual no sentido de a lei atribuir outras funções, que não as expressam entedefinidas, à PGE não pode abranger aquelas que escapem de suas funções institucionais”.


Em outro trecho:“O procurador do Estado, ainda institucionalmente, é encarregado da advocacia pública, que não pode se confundir com a advocacia privada, como o é a defesa dos interesses do servidor. Nesta, o advogado é institucionalmente parcial, defendendo a causa sempre a favor de seu cliente. Naquela, vige o princípio da impessoalidade administrativa, ademandar a defesa do interesse público, acima de qualquer tipo de parcialidade”.
Mais: “Poderá surgir conflito de interesses entre a representação judicial do Estado e a defesa do servidor processado”.


Fecha: “Sensível, todavia, à incolumidade financeira do servidor que não cometeu ilegalidade ou não afrontou a moralidade administrativa, penso que esse exame há de ser feito a posteriori: no caso de improcedênciada acusação, terminado o processo, o Estado poderá ressarcir o servidor das despesas que teve com seu advogado, aplicando tabela de honorários que poderá fixar, de acordo com os serviços profissionais prestados”.


Edinei Muniz é advogado

Enviar para o Twitter

1 comentários:

Anônimo disse...

Binho tá preocupado com o próprio futuro. Deve tá roubando muito. Pois já tá precisando de advogado
Uma vergonha