quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

PROIBIDO



O estudante de jornalismo, José Carlos de Oliveira, afirma que foi proíbido pelo presidente da Assembleia Legislativa do Acre – Aleac -, deputado Edvaldo Magalhães (PC do B), de ter acesso ao Salão Azul – espaço reservado ao trabalho de imprensa - da casa parlamentar.

“Qualquer outro jornalista poderia ter acesso ao Salão Azul, exceto o jornalista Zé Carlos”, teria afirmado o assessor de Magalhães, Roberto Braña.

De acordo com o estudante, a proibição veio por parte da mesa diretora e seu presidente comunista.

O Supremo Tribunal Federal – STF – extinguiu a lei de imprensa e a obrigatoriedade do diploma de ensino superior para o exercício jornalístico, o que na prática permite a qualquer cidadão exercer funções antes privativas da categoria.

O jornalista Roberto Braña - privilegiado por receber dinheiro público através de cargo de confiança que dispensa concurso público – teve livre acesso à Europa. O acriano Zé Carlos que também já teve o mesmo privilégio ao assessorar o líder do governo na Aleac - Moises Diniz (PC do B)-, não dispôs da mesma sorte de Brãna, não pode viajar se quer para o Salão Azul da Assembleia Legislativa.

Roberto limitou-se a informar que a não permissão de entrada do repórter do Acre Notícias na área restrita é em "cumprimento a determinação da casa".

A proibição passou a ocorrer depois que o jornalista questionou o suposto gasto de R$ 1 milhão pela Aleac para promover um encontro entre vereadores de todo o Estado, assegura José Carlos.

Mais informações a qualquer momento.


Enviar para o Twitter

0 comentários: