quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Alec posiona-se sob caso do repórter


Interessante na notícia oficial da Assembleia Legislativa do Acre - Aleac - é que o presidente do Sindicado dos Jornalistas Profissionais do Acre - Sinjac -, Marcos Vicentti, nega que José Carlos seja filiado à instituição que preside.


Fato:

O repórter é filiado ao Sinjac como acadêmico e paga mensalmente R$ 18,00 ao sindicato acriano.

O próprio Marcos Vicentti confirmou, diversas vezes, essa informação. Carlos sempre teve livre acesso ao espaço reservado à imprensa na Aleac. A proibição é recente.

De acordo com José Carlos, "o motivo é perseguição política".

Mais uma contradição:

Marcos Vicentti teria dito:

-Esse estudante não está proibido de entrar na Aleac. Ele pode cobrir para o seu site os trabalhos legislativos do local reservado aos jornalistas. Agora o acesso ao Salão Nobre [área interna e restrita] é para jornalistas reconhecidos na DRT e no Sinjac – disse Vicentti.

Em uma frase o jornalista pode trabalhar no setor de imprensa:

(Ele pode cobrir para o seu site os trabalhos legislativos do local reservado aos jornalistas.)

Em outra frase o jornalista não pode trabalhar no setor de imprensa:

(Agora o acesso ao Salão Nobre [área interna e restrita] é para jornalistas reconhecidos na DRT e no Sinjac – disse Vicentti).

Com essas informações fiquei até pensado, será que tais palavras são realmente de Marcos Vicentti?

Informações oficiais lembra-me sempre da ditadura cubana.

Veja você mesmo a matéria da Aleac

Enviar para o Twitter

0 comentários: