domingo, 7 de fevereiro de 2010

A contradição de Binho


Com o lançamento do “Floresta Digital” - projeto pelo qual a sociedade acriana passaria, a partir deste fevereiro de 2010, a ter acesso gratuito à rede mundial de computadores - o governador do Acre, Binho Marques, contradiz a própria lógica de sua gestão.


Marques consolidou, como nem um outro governante da recente história do Acre, a rendição de quase a totalidade dos veículos de comunicação do Estado ao seu projeto de poder.
Nem o ex-governador Jorge Viana, com forte aprovação popular, obteve tanta benevolência por parte da imprensa acriana.


Com sua agência de notícias, o senhor de cavanhaque e sorriso fácil, edita jornais, blogs, sites noticiosos. Pauta TVs, rádios e assim determina os assuntos a serem discutidos pela agenda social, do diálogo do bar as discussões acadêmicas.


Binho consegue pautar até os programas policialescos, uma vez que a violência alastrada pelas cidades não é controlada pela força repressiva do Estado que governa.



A contradição de Binho é permitir ao acriano acesso à livre “arena” representada pela internet. Aquilo que a imprensa teima em esconder - na Web aparece.



O Acre mágico e magnífico que estampa as páginas dos jornais é desconstruído pelo mundo real, pelo dia-a-dia da sociedade que cedo ou tarde descobre não viver no “paraíso”. Que tristemente, pela dor do analfabetismo, da ausência de moradia, de saúde, segurança, descobre que seus líderes celebraram o velho contrato do “façamos a mudança antes que o povo a faça”.



Ironicamente, o meio virtual – a rede – vem contribuir para que o mundo real enxergue as ilusões entorpecestes das campanhas orquestradas pelo maldoso sistema midiático montado para confundir o acriano.


Binho Marques é inteligente, mesmo sabendo que deve lealdade ao seu grupo, quer deixar alguma herança positiva de sua gestão, quer dar liberdade a parte de uma sociedade, sufocada pela péssima educação proporcionada pelos veículos informacionais.


É triste constatar que os benefícios do “Floresta Digital” nunca chegarão a todos, pois, esquecemos-nos de ofertar escola a milhares de acrianos. Esquecemos-nos de proporcionar comida a outro tanto.


Aqueles que lhes foram negados o direito de acesso ao mercado de trabalho, se quer ousam sonhar ser dono de um computador.


Os governistas deveriam parar de criar projetos para os “incluídos” e lembrar-se daqueles que nada possuem.


E se a mim couber pedir. Peço apenas que inclua nossas crianças no sistema educacional, porque atualmente elas frequentam prédios bonitos nos quais escreveram a palavra “escola” em suas fachadas.
Leia também:
Espertos como chineses, informe seu CPF para ser monitorado
Internet grátis, saiba como se cadastrar

Enviar para o Twitter

6 comentários:

Anônimo disse...

Se o governo faz alguma coisa vcs reclamam e se não vazem vcs reclamam tb.

Anônimo disse...

O governo tem q primeiro fazer o essencial, como promover saúde e educação igualitária de qualidade.
Depois do bem estar social é que o poder deve sair inventado.

Não vale SER governo só pra elite. Só para os que podem pagar pela educação e saúde privada e ter internet de graça.

Anônimo disse...

Manda os pobres ir trabalhar!!!

Anônimo disse...

Esse governo deveria fazer pelo menos o básico, investir de verdade na saúde, educação e segurança, mas infelismente isso não acontece de fato, ele investe mesmo é em propaganda para se auto-promover. Concordo plenamente com o blogueiro, do que adianta construir um prédio bonito e colocar um nome escola, se a qualidade do ensino e péssima.

Anônimo disse...

Concordo em número, genero e grau com o texto.
É pura enganação.

Archibaldo Antunes disse...

Ao anônimo tapado da 19h36: trabalhar onde, se o Acre é último estado da região Norte em geração de emprego, seu bosta?