quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Câmara dos Deputados é sensível às demandas da vigilância sanitária

A Câmara dos Deputados tem sido sensível às questões relativas à vigilância sanitária no Brasil. Esta é a conclusão de uma pesquisa realizada pela Coordenação Parlamentar da Anvisa. O estudo aponta que, em 78% dos projetos de lei, a posição da Anvisa é considerada pela Câmara, na primeira apreciação da Casa.

O número está próximo ao percentual do Poder Executivo como um todo, que está em torno de 83%. O estudo considerou como uma situação de sucesso a aprovação de um projeto que fortalece a legislação sanitária ou a reprovação de um projeto que possa fragilizar o sistema de vigilância sanitária no Brasil.

O trabalho avaliou 248 projetos de lei apresentados entre os anos de 1994 e 2012. Somente em 2011, foram 81 projetos apresentados. A análise sobre a posição da Anvisa em relação aos projetos de lei apontou ainda que, em 30% dos projetos, não havia necessidade de ajustes do ponto de vista da Anvisa. Outros 34% precisam de melhorias para fortalecer a legislação sanitária.

De acordo com o Coordenador Parlamentar da Anvisa, Marcos Paulo Rodrigues, o estudo demonstrou que, na maioria das vezes, o posicionamento técnico da Agência é levado em consideração pelos deputados federais. “Esses números são consequência de um diálogo sólido e constante que a Anvisa tem estabelecido com o poder legislativo e especialmente com os deputados federais”, afirmou.

O trabalho é resultado da dissertação final do coordenador para o Curso de Especialização em Direito Sanitário da Fundação Oswaldo Cruz.

Imprensa / Anvisa

Enviar para o Twitter

terça-feira, 30 de outubro de 2012

ACRE REAL: ENQUANTO TV ACRE CONTRATA FALSAS PESQUISAS ELEITORIAS, TV GAZETA CENSURA CONTEÚDO JORNALÍSTICO

Do jornalista Assem Neto, demitido pela TV Gazeta por flagrar corrupção eleitoral:


Jornalista bom é jornalista comprado

Nunca foi segredo o que penso sobre o modelo político que aliena, domina e compra consciências no Acre.

Minhas convicções estão abertas e podem ser acessadas em meus perfis nas redes sociais – único espaço possível no Acre para manifestar expressões incensuráveis.

No domingo de eleições, antecipei a investida da quadrilha petista sobre jornalistas que os contrariam. Não deu outra.

- Cortem a cabeça deste rapaz - foi a ordem do reinado vermelho.

Ponto (?) para a canalhice subvertida. Como são maus, pilantras, vagabundos, escrotos, tiranos e tudo o mais que você possa imaginar.

Na manhã de segunda, fui proibido de deixar a redação. Fiquei na “geladeira” por horas, à espera do dono da TV, que, segundo minha editora, estava a caminho para um “pé de ouvido”.

O cidadão não me encarou. Ficaria feio demais o “menino de recado” repetir a lorota sem disfarçar que na empresa dele só sai o que o governo determina.

Que argumento convincente teria ele ao pôr na rua o jornalista que a sua própria empresa mandou ficar na cola da Polícia Federal durante a votação?

Ora, Roberto Moura, o senhor é outro que merece a quem serve. O clichê “banana do mesmo cacho” lhe cai bem. Enfim, a sentença, covarde, traiçoeira, veio por telefone a terceiros. De boa!

Minha cobertura das eleições foi minada. Os flagrantes de aglomeração de eleitores, censurados. Eram imagens que revelariam a corrupção eleitoral, mas que foram desprezadas.

Nada foi ao ar, por ordem da tropa do PT no governo, prontamente atendida pela direção de uma empresa que exibe imagens coloridas num espaço marrom. Se não era para divulgar, por que então mandaram fazer?

Pudera: ali, ao meu lado, na Baixada da Sobral, mais precisamente na Praça da Semsur, enquanto eu me concentrava em narrar o crime, estava, ao telefone, o presidente do PT, senhor André Kamai, mentiroso de marca maior.

Encangado a ele, o secretário de Educação do Estado, Daniel Zen, desordeiro insolente que o mundo conheceu pelo afrontoso “cotôco cultural”.

Ambos passaram a espalhar inverdades a outro capacho, o secretário de Comunicação, Leonildo Rosas, um apedeuta subserviente - porque a este também faltam amor próprio e dignidade.

A cretinice foi nesses termos:

- O Assem tá aqui na Baixada com o Bocalom fazendo boca de urna, usando o equipamento da TV - disparou o serviçal inescrupuloso aos ouvidos do dono da TV, que, habitualmente, execra seus funcionários em nome de uma relação incestuosa, inescrupulosa, com o erário.

- Assem, ligaram para o Moura com essa história – gaguejou o diretor-geral, Raimundo Martins, numa ligação que eu já aguardava.

Desafio que provem que utilizei a estrutura da emissora para fins pessoais, como foi dito numa nota desaforada que o seu site publicou como medida desesperada para abafar as razões de minha demissão horas após o término das eleições.
Desafio, ainda, que naquela multidão alguém prove minha aparição ao lado do candidato em questão - a quem apoiei via redes sociais e com quem jamais conversei nesta campanha política.

Tudo que meu cinegrafista gravou (conteúdo bruto) no domingo está em poder da TV. Aliás, a não veiculação das reportagens na transmissão de domingo prova que a emissora, concessão pública, estupra a Constituição ao omitir a verdade que interessa ao cidadão, altera e reescreve texto dos repórteres e adultera o sentido original que nós, redatores, pretendemos dar à notícia.
Tem sido constrangedor, na maioria das matérias, aparecer ao vídeo da TV Gazeta sendo obrigado a falar bem das corja perseguidora que domina o Acre. Na dúvida, pergunte a qualquer repórter.

Algo precisa ser feito. Quando um repórter tem sua imagem denegrida e aviltada por fazer bem o seu trabalho e prestar um serviço à população, ao noticiar fatos, este não é um problema só dele, mas da imprensa, que tem o dever de informar, e da sociedade, que tem o direito de ser informada. É disso que se trata.
Não posso e não quero ser notícia. Tampouco me deslumbrei por trabalhar no Congresso Nacional, onde, por seis anos, fui assessor de imprensa da deputada Perpétua Almeida em Brasília.

Optei por voltar ao meu estado por gostar (demais) de fazer televisão, por estar perto de meus irmãos, minha mãe e amigos. Nem a defasagem salarial, que é gritante por aqui, me fez mudar de ideia. Profissionalmente, foi um erro, admito.
Minha preocupação sempre foi contar a história do próximo. Isso me tornou um profissional respeitado e dificilmente mentiras ou inverdades vão mudar uma reputação construída com muito trabalho, honestidade e respeito pela informação.

Sinto-me aliviado por não ter sido demitido por incompetência. Se assim fosse, rasgaria meu registro profissional.

Estou tranquilo e ainda mais encorajado a denunciar os que aprisionam pensamentos e as ideias alheias, roubam do contribuinte para comprar votos, viciam contratos e licitações.

Às centenas de amigos a mim solidários, o apreço e o agradecimento.

Aos inimigos, a indiferença.
O Acre, infelizmente, nunca mais.

Enviar para o Twitter

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A Delta Agência de Pesquisa desbanca Ibope e acerta resultado das urnas em Rio Branco

Gina Menezes, da Agência ContilNet

O levantamento realizado pelo instituto de pesquisa Delta, divulgado dois dias antes da votação do segundo turno das eleições 2012 em Rio Branco, na sexta-feira, 26, o candidato da Frente Popular do Acre (FPA), Marcus Alexandre (PT), com 48% das intenções de voto contra Tião Bocalom (PSDB), da coligação Produzir Para Empregar, com 47,11%.

Considerando somente os votos válidos, foi verificada a precisão dos números apresentados, já que Marcus Alexandre (PT) teria 50,6% e Tião Bocalom 49,4%, números impressionantementes próximos aos apurados nas urnas neste domingo, 28 e outubro, onde Alexandre obteve 50,77% dos votos e Bocalom 49,23%.
O levantamento, que teve 900 entrevistados, e margem de erro de 3%, foi alvo de ironias do secretário de Comunicação do Governo do Estado, Leonildo Rosas, que preferiu desacreditar das empresas envolvidas no levantamento (Contilnet/Delta) antes mesmo dos números serem divulgados, segundo post feito em sua página no Facebook.

Comparando com o levantamento realizado no mesmo período por outro instituto, no caso o Ibope, a pesquisa Contilnet/Delta teve um acerto de mais de seis pontos percentuais, o que mostrou a seriedade das empresas envolvidas.

Enviar para o Twitter

domingo, 28 de outubro de 2012

Delegado da PF confirma tranquilidade nas primeiras horas de votação


100% do efetivo!

Num forte sotaque nordestino, o delegado paraibano da Polícia Federal, Derly Brasileiro, responsável por dar mais  transparência no segundo turno das eleições de Rio Branco (AC), nesse domingo (28), confirma o clima de tranquilidade nas primeiras horas de votação. “Muito tranquilo, sem registro de ocorrência até o momento”, disse.

Brasileiro afirma que a madrugada deste domingo foi movimentada e marcada por intensa fiscalização no intuito de inibir a compra de votos. “Estamos com 100% do efetivo da Polícia Federal do Acre trabalhando na capital”, disse o delgado ao ratificar que os bairros periféricos receberam atenção especial por parte da PF.

O acúmulo de simpatizantes petistas vestidos com a camisa vermelha na manhã de hoje quando comparado ao primeiro turno, é tímido. “Aconselho que se evite a manifestação coletiva, pois à lei proíbe, mas nem todo aglomerado é caracterizado como infração, às vezes, são parentes que se encontram nas ruas. É necessário cautela”, diz.

O tratamento da PF no atendimento à imprensa também é outro em comparação ao primeiro turno. Solícito, o delegado paraibano presta informações precisas e é cordial com a reportagem.

      

Enviar para o Twitter

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Pesquisas tentam driblar Justiça Eleitoral ao aplicar perguntas não previstas em questionário




 Se Lula ou Dilma ligassem para você, Mudaria seu voto?


"Eles andam de branco", diz o eleitor Valcir de Oliveira
A primeira pesquisa sobre as eleições 2012 de Rio Branco (AC) realizada pelo Instituto Ibope, a pedido da TV Acre (Rede Globo), foi parcialmente impugnada pela Justiça Eleitoral do Acre por apresentar, dentre outras razões, avaliações dos governos municipal, estadual e federal – todos do PT – conjuntamente com a intenção de voto para o 1º turno do pleito.

Na ocasião, a juíza da 1ª Zona eleitoral, Maha Kouzi Manasf e Manasf, disse que queria acreditar que o Ibope excluiria “tudo que não se trate de eleições municipais”.

Contudo, de acordo declaração de dois eleitores que foram entrevistados por pesquisadores, os institutos teriam encontrado uma maneira de enganar a magistrada Maha Manasf. 

Neste domingo (21), o entregador de medicamentos Valcir de Oliveira Neto foi entrevistado. Ele afirma que o aplicador do questionário foi insistente ao querer saber se o eleitor estaria disposto a mudar na intenção de voto. “Se Lula ou Dilma ligasse para o senhor, mudaria de voto?”, teria persistido o representante do instituto de pesquisa.

O quesito que inclui o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma, ambos petistas, não está previsto em nenhum dos três questionários de pesquisas em andamento naquela data. Duas dessas têm previsão de divulgação para essa próxima sexta-feira (26) pela TV Acre e site Contilnet – e a terceira deveria ter sido publicada nesta terça-feira (23) pelo site O Rondoniense.

Caso você tenha sido entrevistado por qualquer instituto de pesquisa entre este domingo (21) e hoje fale conosco e relate como foi à abordagem. Contatos: edmilsonacre@yahoo.com.br

Outro eleitor, o atendente Ricardo da Silva Freire afirma que na segunda pesquisa Ibope – a qual foi proibida pela Justiça Eleitoral por direcionar os nomes de Marcus Alexandre (PT) e Tião Bocalom (PSDB) como opções para o segundo turno, excluindo os demais candidatos -  foi questionado se mudaria seu voto caso o governador Tião Viana (PT) o ligasse pedido seu voto.

O sociólogo Alberto Carlos Almeida – que coordenou pesquisas eleitorais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) – afirma em sua obra “A Cabeça do Eleitor: Estratégia de Campanha, Pesquisa e Vitória Eleitoral” que “...Se dez questionários de eleitores que iriam votar no candidato A forem computados para o candidato B, isso equivale a transferir 1%  das intenções de voto de um para outro candidato, pelo menos 2% se considerados os votos válidos... ... trabalho de campo de má qualidade  é aquele que, apesar de cometer poucos erros, põe em xeque os resultados de toda a pesquisa”, diz.

O exemplo relatado pelo sociólogo é para pesquisas cujo mil pessoas são ouvidas, como as pesquisas no Acre em média são aplicadas a 600 eleitores, bastam 06 questionários errados para cada 2% de erro que comprometem toda a pesquisa.

No 1º turno da atual eleição, o Ibope repetiu o erro de pleitos passados. Equivocou-se em 9,85% na votação dada ao candidato Tião Bocalom (PSDB), número fora da margem prevista pelo próprio instituto.

Enviar para o Twitter

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Jornal O Rondoniense contrata pesquisa de opinião sobre eleições de Rio Branco (AC)



De Porto Velho (RO), o jornal O Rondoniense vai divulgar na terça-feira (23) pesquisa sobre a corrida eleitoral da capital acriana, Rio Branco. 

O questionário registrado junto à Justiça Eleitoral do Acre é sucinto, traz questões como sondagem do voto espontâneo e estimulado e sobre a rejeição dos candidatos Marcus Alexandre (PT) e Tião Bocalom (PSDB) - que concorrem no segundo turno do pleito municipal 2012.

Diferente do questionário do instituto Ibope, que será divulgado nesta sexta-feira (18) no Jornal do Acre (Rede Globo), o instituto Fonte Real não estimula o cruzamento de informações sobre o voto de primeiro turno com a intenção de voto no segundo turno.

Esse cruzamento do Ibope pode ser fonte de manipulação de dados, uma vez que tende a afirmar que determinado número de eleitores, a título de exemplo, que votaram em Fernando Melo (PMDB) no primeiro turno estaria mais disposto a votar em determinado candidato no segundo turno, assim buscando influenciar o eleitor indeciso e com tendência de mudar de posicionamento.

Ibope também não explica se ou como faria tal cruzamento ou ainda se divulgará o resultado deste ou manterá em sigilo.

Caso Fonte Real acerte os números indicados na pesquisa poderá desbancar o tradicional Ibope que permanece com o histórico de nunca ter acertado um único resultado no Acre. 

Na última eleição, realizada no começo desse mês de outubro, o Ibope da Rede Globo voltou a errar por 10 pontos percentuais. Apontou que Tião Bocalom teria 34% dos votos válidos, contudo, o tucano obteve 43,85%. O mesmo erro de 2010, quando Ibope apontou Bocalom com 39%, mas ele obteve 49% - sempre o equivoco de 10%.



Enviar para o Twitter

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Programa do PT admite possibilidade de vitória de Bocalom e adverte que tucano poderia renunciar mandato

O programa eleitoral do candidato petista à prefeitura de Rio Branco (AC), Marcus Alexandre, desta quarta-feira (17) admitiu a possibilidade de vitória do tucano Tião Bocalom nessas eleições, contudo, adverte para possibilidade de o psdebista renunciar ao cargo de prefeito da capital para concorrer ao governo do Estado, em 2014.

Quando exercia o cargo de vereador em um município do Paraná, sua terra natal, Bocalom renunciou ao mandato para morar no Acre e implantar sua madeireira. Ele também renunciou ao cargo de prefeito de Acrelândia para concorrer ao governo do Acre, em 2006, pleito no qual foi eleito Binho Marques (PT).

Outro que também renunciou mandato eletivo foi o atual governador do Estado, Tião Viana (PT), que no final 2010, tendo cumprindo menos de 04 anos de exercício,  largou o cargo de 08 anos no Senado Federal para garantir a vaga de Aníbal Diniz como seu sucessor, o cargo é questionado na Justiça em razão de possível descompatibilização fora de prazo por parte de Diniz como secretário de Estado.

Após 11 dias da renuncia, Tião Viana assumiu o cargo de governador do Estado, porém, o mandato também é questionado na Justiça Federal que o acusa de abuso do poder econômico e dos veículos de comunicação social durante as eleições de 2010.

Enviar para o Twitter

domingo, 14 de outubro de 2012

Apesar de errar números do 1º turno, Ibope realiza nova pesquisa sobre eleições de Rio Branco




Pela quarta eleição consecutiva, o Instituto Ibope erra números da intenção do voto do eleitorado acriano que opta pela oposição ao governo do PT.

Nas eleições de 1º turno realizadas no domingo (07), o Instituto voltou a demonstra números que não se confirmaram nas urnas. Apontou que Tião Bocalom (PSDB) teria apenas 34% dos votos válidos, encerradas as apurações, o psdebista obteve 43,85% dos votos válidos, quase 10% a mais que o apontando pelo instituto.

Como nas eleições de 2010 para governo, o Ibope acerta somente os números do PT, apontou que Tião Viana (PT) teria entre 48% e 52% dos votos válidos, algo que foi confirmado nas urnas. No último dia 07, apontou que Marcus Alexandre (PT) teria entre 47% e 53%, já que a margem de erro foi de 3%, novamente foi assertivo, ele obteve 48%.

Ao julgar pela lógica estabelecida pelo próprio instituto, caso o eleitor de oposição queria saber o número correto de seu candidato, deverá acrescentar até 10 pontos percentuais ao número que for divulgado na próxima sexta-feira (19), já que o nexo é observado há quatros eleições seguidas, virou caso de padronização. Em 2010, por exemplo, o Ibope apontou Bocalom com 39%, mas nas urnas, ele obteve 49%.

Mais uma vez, a pesquisa foi encomendada pela TV Acre (Rede Globo) ao valor de R$ 36 mil. A emissora é a principal beneficiada com a luta do PT para que o resultado do referendo realizado há dois anos não seja executado, e, que se mantenha o horário escolhido por projeto de autoria do petista Tião Viana, quando senador da República.

A quarta e quinta perguntas, se cruzada com outros itens do questionário de pesquisa, ao julgar pela tendência de apoio do Ibope ao PT, poderá demonstrar que os eleitores que votaram nos demais candidatos de oposição estariam mais dispostos a migrar para Marcus Alexandre nesse segundo turno do que para Bocalom, uma lógica inversa.

Pelos números oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), somados todos os votos dados aos candidatos de oposição no domingo (07), tem-se uma diferença de 6.004 de vantagem da oposição sobre o PT: 91.286 x 85.282.

No interior do Estado, a oposição ao petismo também foi vitoriosa com 13 eleitos contra apenas 08.

Leia:

P04) Durante a campanha o eleitor pode conhecer melhor os candidatos e suas propostas e mudar sua decisão de voto. Pelo que tem visto até este momento, o(a) sr(a) acha que seu voto para Prefeito de Rio Branco ainda pode mudar ou já é definitivo? (RU)
1( ) Ainda pode mudar
2( ) É definitivo
8( ) Não sabe
9( ) Não respondeu

P05) [DISCO 2] Em qual destes candidatos a Prefeito de Rio Branco o(a) sr(a) votou no primeiro turno das eleições, no dia 07 de outubro? (RU)
01( ) Antonia Lucia
02( ) Fernando Melo
03( ) Leôncio Castro
04( ) Marcus Alexandre
05( ) Professora Peregrina
06( ) Tião Bocalom
96( ) Não votou no 1º turno
97( ) Ninguém/ Branco/ Nulo
98( ) Não sabe
99( ) Não respondeu




Enviar para o Twitter

sábado, 13 de outubro de 2012

Brasil potência agrícola

Enviar para o Twitter

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Voto de eleitor comprova: não fosse divisão da oposição não haveria segundo turno




Ao contrário de todos os prognósticos de “erro da oposição” acriana ao se dividir no primeiro turno das eleições 2012, em Rio Branco (AC), a estratégia foi assertiva, não fosse os 6% dados a Fernando Melo (PMDB) e Antônia Lúcia (PSC) -  já que Peregrina (Psol) e Leôncio Castro (PMN) não pontuaram -  o petista Marcus Alexandre teria garantido vitória nesse domingo (07), exatamente como ocorreu há dois anos quando Tião Viana saiu vitorioso para governo do Acre por pequena margem de votos.

Naquele ano de 2010, o candidato Tijolinho não pontuou, e foi por isso que Tião Bocalom foi derrotado, sem chance de uma segunda rodada.
..
A oposição acertou e saiu vitoriosa, a única chance é a disputa de 2º Turno, não fosse isso teria que esperar à próxima eleição e depois a próxima eleição, etc.

Não adianta culpar a TV Acre e o Instituto Ibope, já era previsto que o as pesquisas seriam fraudadas, e de fato foram manipuladas. Mais uma vez, eles desviaram 10% das intenções do eleitorado. Apontou Bocalom com 34%, mas o tucano obteve 43,85%. A mesma desonestidade de 2006, 2008 e 2010.

Não adianta culpa o poder econômico da Frente Popular, eles abusariam da montanha de dinheiro proporcionada pela máquina de governo, como de fato o fizeram com promessas inócuas e mais uma rodada da mesma enganação de décadas.

Não adianta culpa a mídia, já era sabido que eles manipularia todos os canais de comunicação social.

Não adianta culpar o amadorismo da comunicação de campanha de Bocalom, pois Fernando Melo mesmo com ótima mídia foi inexpressivo em votos.

Não adianta comparar capital com interior, são realidades distintas de um mesmo Acre que pede mudança e luta contra a oligarquia dos coronéis Vianas. 

O que de fato adianta é a luta pela institucionalização do Estado do Acre, é imprescindível que o Poder Judiciário seja justo; que o  Ministério Público seja atuante;  que as policiais Militar, Civil e Federal hajam com rigor; que a imprensa exerça sua natureza de fiscalizar os poderes; que o parlamentares legislem para a sociedade. 

E isso só será possível se todo acriano, seja ele petista ou não, exija que todas as campanhas sejam guiadas por princípios de democracia, honestidade e combate aos abusos do poder.

Enfim, o que falta ao Acre é o mínimo de atuação institucionalizada para que finalmente a democracia possa triunfar sobre o atraso de quaisquer milícias que possam ocupar o poder, que quadrilheiros não sejam os guiam de nossa sociedade acriana.
 

Enviar para o Twitter