terça-feira, 2 de junho de 2009

Bocalom quer mais debates em 2010

Pré-candidato ao Governo do Acre, Tião Bocalom defende mais confrontos de ideias

Em entrevista ao Blog Edmilson Alves, nesta segunda-feira 1º de junho, Tião Bocalom - 56 anos, professor de matemática da rede pública de ensino em Acrelândia, município pelo qual foi prefeito por três mandatos – falou de um suposto boicote promovido por emissoras de televisão da capital acriana. As emissoras teriam desistido dos debates entre os candidatos que concorriam à prefeitura de Rio Branco na eleição do ano passado.

Segundo o Professor, até hoje, as emissoras de televisão não explicaram o porquê da não realização dos debates que estavam programados. Segundo ainda informa, a exceção foi a TV Acre, única a realizar o encontro, em 02 de outubro de 2008.

A TV Gazeta e o Canal 5 negam que tenha existido qualquer programação de debate. As emissoras alegam que apenas entrevistas foram planejadas e executadas. Já a TV Rio Branco informou, através do seu departamento jornalístico, que foi cogitada a realização de um debate. No entanto, os coordenadores de campanha dos candidatos optaram pelas entrevistas.

A Tvs União, Aldeia, Rede Vida, RIT e Boas Novas não foram consultadas para responder o questionamento de Tião Bocalom, pois, foi apurado que tais emissoras não idealizaram nenhum debate eleitoral no pleito municipal de 2008. Algo que deixou triste a eleitora Sônia Gomes da Silva, 30 anos, estudante de Tecnologia de Redes. “Deveria ter mais debates em emissoras e horários diferentes para que mais pessoas tivessem o direito de escolher melhor seu candidato”. Alega a acadêmica que acrescenta: “o eleitor deveria ter o direito de ligar e fazer perguntas aos candidatos”.

Nilson Euclides da Silva, mestre em ciência política pela PUC de São Paulo, avalia como importante todas as formas de contato entre candidatos e eleitores. “O debate tem a sua importância. Formatos variados que permitam maior interação do eleitor são válidos”. Todavia, o cientista político alerta: “Debates com formatação fechada que muito valoriza a figura do mediador e menos a figura do eleitor, podem prejudicar o confronto de ideias”.

Bocalom foi candidato pelo PSDB ao cargo de prefeito de Rio Branco e ficou em terceiro lugar. Aspirante ao governo do Estado, o ex-prefeito de Acrelândia acredita ter sido prejudicado com a realização de um único debate na disputa pela prefeitura da capital. “Foi um debate que aconteceu numa quinta-feira à noite. Praticamente não deu [tempo] para repercutir. [passou] sexta, sábado, e domingo já foi a eleição”, declarou. O professor de matemática tem esperança de que em 2010 haja mais debates.

Na entrevista, em áudio, Bocalom fala da sua pré-candidatura, pelo PSDB, ao governo do Acre, rebate às críticas do PT, sobre qual costuma afirma que a oposição não dispõe de projeto de governo e ressalta a necessidade de um programa de geração de empregos através da agricultura. Diz também “não vê manejo florestal” apregoado pelo Estado e, faz duras críticas ao modelo e a justiça eleitoral defendendo reforma no sistema. Ainda falou sobre habitação, transporte coletivo, projeto urbanístico e preservação ambiental.

Enviar para o Twitter

0 comentários: