quarta-feira, 24 de junho de 2009

Atos secretos do Senado: A prova da má fé


Senador Cristovam Buarque dá sua versão sobre seu nome incluso na lista

Há atos secretos que beneficiam senadores amigos. E há atos secretos que servem para prejudicar e constranger senadores que não fazem parte deste “clube”, parlamentares que são independentes e optaram por serem amigos do Brasil. Atos que são secretos com o objetivo de - caso tudo viesse à tona, como aconteceu agora - tentar manter esses senadores calados. Cristovam Buarque foi vítima desse segundo tipo de ato.

Vamos aos fatos:
A mulher de Cristovam, Gladys, é funcionária da Câmara desde 1983. Vinte anos depois, ela foi cedida, sem ônus para o Senado, para o gabinete do então senador João Capiberibe. Naquela época, essa troca de funcionários entre a Câmara e o Senado, mantendo a pessoa na folha de pagamento de seu órgão de origem, sem custos para o órgão para o qual ela fosse cedida, era comum. Na mesma situação, sem ônus para o Senado, ela foi transferida, em 2006, para o gabinete do então senador Sibá Machado, suplente da ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.
Em 2007, ela passaria para o gabinete da liderança do PDT, liderado na época pelo senador Jefferson Peres, falecido no ano passado. Nesse momento, as regras no Legislativo mudaram, e a cessão deixaria de ser sem ônus para o Senado. Gladys passaria a receber uma gratificação de R$ 1,5 mil. Ela não aceita isso. Não queria custar um centavo para o Senado. Pede, então, para voltar para a Câmara. O ato de nomeação de Gladys foi, então, tornado sem efeito. Ela não chegou sequer a tomar posse. Ela não recebeu um dia sequer dessa gratificação do Senado.
O que aconteceu? O ato de nomeação dela para a liderança do PDT - cargo que ela não chegou a exercer - foi publicado. No entanto, estranhamente, o ato que torna a nomeação sem efeito não foi publicado (ver abaixo).

Este ato nomeou Gladys. Foi publicado. O ato abaixo tornou a nomeação sem efeito. Note que está escrito claramente que ela nem sequer chegou a tomar posse. Por um erro de impressão, a data do ato abaixo é "O" de março de 2007. Mas, em cima, está clara a data da sua publicação: 2 de março de 2007.


No que uma situação dessas beneficiaria Cristovam? Se ele, pessoalmente, quisesse esconder alguma coisa, esconderia a nomeação de Gladys. Essa nomeação foi tornada pública. Agora, alguém que quisesse criar uma confusão para no futuro constranger o senador, esconderia o ato que a devolveu para Câmara. Porque aí, pareceria a quem quer que pesquisasse que a mulher de Cristovam ainda se encontrava no Senado, num cargo no qual ela nem tomou posse.

Sem dúvida, isso sim, uma atitude de má fé, para passar a impressão de que todos os senadores são iguais, de que ninguém tem moral para cobrar nada dos outros. Para criar um pacto de silêncio que só beneficia quem gosta de fazer falcatruas. Cristovam não vai cair nessa armadilha. Continuará, como fez na segunda-feira ao sugerir ao presidente do Senado, José Sarney, que tirasse uma licença, cobrando duramente atitudes concretas para tirar o Legislativo da crise em que se encontra.

Enviar para o Twitter

1 comentários:

Anônimo disse...

Cristovam é um exemplo de politico comprometico com o Brasil. Não seria agora que iria sujar sua biografia.

Parabéns Cristovão Buarque.