sábado, 3 de janeiro de 2009

Perspectivas: o que será da Amazônia em 2009?

Crise financeira e obras devem influenciar conservação da floresta.Conheça outros fatores determinantes para este ano que começa.

Dennis Barbosa e Iberê Thenório Do Globo Amazônia, em São Paulo

O que espera a maior floresta tropical do mundo no ano que começa? Desde já é possível listar uma série de fatores que devem influenciar o destino da Amazônia em 2009.

Uma questão que preocupa o mundo todo e deve causar conseqüências à floresta é a crise financeira internacional. Com uma desaceleração do crescimento econômico, a pressão sobre a floresta, em teoria, diminui: há menos capital para financiar o desmatamento para abertura de pastos e plantações e, simultaneamente, menor demanda por carne e commodities como a soja. Por outro lado, o governo e as ONGs poderão ter recursos mais escassos e, com isso, pode diminuir a vigilância sobre os desmatadores. Ciente disso, o ministro do Meio Ambiente Carlos Minc já vem dizendo que a contratação de 3 mil novos servidores que atuarão no combate a crimes ambientais está mantida, apesar da crise. Ainda no setor governamental há muita expectativa em relação à questão da regularização fundiária, já que ela é indispensável para reduzir a devastação na Amazônia. O ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, pleiteia a criação de uma agência que agilize o processo, em detrimento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a quem caberia tratar deste assunto. O instituto, por sua vez, pretende que o problema seja atacado por meio do Plano Terra Legal elaborado por um grupo de trabalho coordenado pela Casa Civil.
saiba mais

Em 2009 a Amazônia será ainda mais monitorada por satélites. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) anunciou no fim de 2008 mais um sistema de vigilância, o Degrad, que detecta degradação (destruição parcial) da floresta. Além do Degrad, o instituto conta com outros três sistemas para a região (Prodes, Deter e Detex), além do monitoramento de queimadas de todo o território nacional.

Também o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) e a ONG Imazon fazem seu acompanhamento. A questão é se toda esta vigilância se transformará em ações que coíbam o desmatamento.

Obras
Em 2009 a floresta será ainda palco de grandes obras, como as usinas hidrelétricas do Rio Madeira, em Rondônia, e a reconstrução de cerca de 400 quilômetros da rodovia BR-319, que atravessa uma zona intocada do Amazonas. Em ambos os casos, os potenciais danos ao meio ambiente podem levar a novas disputas judiciais no ano que começa.Em Roraima, a expectativa é em relação à decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a demarcação contínua da reserva indígena Raposa Serra do Sol. O julgamento que definirá o futuro da reserva já foi interrompido duas vezes, por pedidos de vista dos ministros Carlos Alberto Menezes Direito e Marco Aurélio.

No dia 10 de dezembro, Direito apresentou seu voto favorável à manutenção dos limites contínuos da Raposa Serra do Sol, mas impôs 18 condições para garantir a proteção da fronteira e a preservação do meio ambiente.

O entendimento foi seguido por sete ministros, antes de o julgamento ser suspenso pelo pedido de vista. Com o placar de 8 a 0, a análise deve ser retomada em fevereiro, já com o voto de Marco Aurélio, que disse não acreditar que seu voto poderá mudar o posicionamento dos demais magistrados que já votaram. Se a decisão favorável à demarcação contínua se confirmar, os arrozeiros instalados na reserva terão de sair. Eles já prometeram, no entanto que colocarão obstáculos para deixar a área. A partir de 1º de janeiro a Caixa Econômica Federal passa a exigir que construtoras utilizem apenas madeira certificada nas obras financiadas pelo banco. Isso poderá fazer aumentar a demanda por madeira retirada de áreas de manejo, fortalecendo o mercado legalizado e diminuindo o desmatamento ilegal.

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Tucanos assumem prefeitura do Quinari

Por Edmilson Alves
Amanhã, primeiro dia de 2009. O jovem de apenas 28 anos de idade e com ensino médio assumirá o comando da Prefeitura de Senador Guiomard - município acreano colado a capital do Estado, Rio Branco.

Seu nome: James Pereira da Silva, popularmente conhecido como James Gomes. Ele venceu pelo PSDB - partido do Ex-Presidente da República Fernando Henrique.

James encerra, hoje, um mandato para iniciar outro de maior visibilidade. É que ele é o atual vice-prefeito e a partir de amanhã passa a ser o novo prefeito do Quinari - nome pelo qual a cidade é mais conhecida. Com 7.031 votos, venceu seu adversário, Celso Ribeiro (PR).

James Gomes alegou, hoje, não ter tido uma transição fácil. “Peço tolerância dos 120 dias pra arrumar a casa. Já que não houve transição”. Segundo o eleito a primeira ação da nova gestão é a limpeza imediata da cidade. A qual ele diz “ta um lixo só.”

A disputa James versus Celso foi histórica. Não é sempre que se tem um embate entre o prefeito e seu vice. A mãe de James, Nilza Gomes, entre outros motivos, atribui a vitória do filho à memória do falecido esposo que governou a cidade de 1996 a 2000. O prefeito Manoel Gomes é tido, para muitos populares, como o mais querido da história do município. "Nestas eleições [2008] eu vi mais uma vez o povo chorar do mesmo jeito que há tempos atrás". Relata Nilza explicando como o prefeito era querido pela população mais carente do Quinari.

QUINARI. Família Gomes conquista quarta vitória consecutiva em eleições majoritárias.

Por Edmilson Alves
Quatro eleições e quatro vitórias. 1996, 2000, 2004 e 2008. A família Gomes, do município de Senador Guiomard ou Quinari como é mais conhecido, parece ser imbatível quando o assunto é eleição municipal. Manoel e James Gomes - o primeiro é pai do segundo - ganharam todas as eleições que disputaram nos últimos 12 anos.

Em 1996 Manoel Gomes foi eleito e fez da assistência social a sua bandeira. O trabalho a frente da prefeitura lhe garantiu a primeira e única reeleição da história do município no ano de 2000. Ele faleceria cerca de um mês após tomar posse. Nilza Gomes, esposa do falecido prefeito, afirma que o marido fez uma administração voltada para a habitação urbana e atenção aos mais carentes.
Essa atenção aos mais carentes pode ser encarada como populismo ou assistencialismo. Porém, tais métodos ficam ao critério interpretativo da própria população, soberana para escolher seus mandatários. Mas seja qual tenha sido a fórmula. O fato é que tem rendido bons resultados eleitorais que acabam por refletir nas duas eleições do filho.

Há quatro anos o prefeito eleito foi o empresário Celso Ribeiro, mas a família Gomes teve sua vitória assegurada com a candidatura de James na vice. Com o rompimento político de ambos, Gomes lança candidatura própria e derrota o antes aliado Ribeiro. Assim a família se mantém imbatível nas urnas e sai mais fortalecida, em 2009 voltam ao comando do poder municipal.


1996 – Manoel Gomes – eleito prefeito;
2000 – Manoel Gomes – reeleito prefeito (morre pouco depois de ser empossado);
2004 – James Gomes (filho de Manoel Gomes) é eleito vice-prefeito;
2008 – James Gomes – eleito prefeito.

QUINARI. Celso Ribeiro deixa 2,4 milhões para gestão de James Gomes. Diz relatório de engenheira da AMAC.

Por Edmilson Alves
Derrotando nas urnas. Mas com um senso de responsabilidade para com o município. O prefeito Celso Ribeiro, deixa empenhados 2,4 milhões para administração do eleito, em outubro último, James Gomes. Segundo informa relatório da engenheira civil e coordenadora de projetos da AMAC (Associação dos Municípios do Acre), Micaelle Maia Coelho.


O dinheiro, garimpado por emendas parlamentares junto ao Governo Federal, garante investimentos nas áreas do esportes, agricultura, educação, saúde e obras.

Confira:
ESPORTES: R$ 1.050.000,00
OBRAS PREVISTAS: REVITALIZAÇÃO DO ESTÁDIO NABOR JÚNIOR
VALOR: R$ 650.000,00

CONSTRUÇÃO DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA
VALOR: R$ 200.000,00

CONSTRUÇÃO DE UM GINÁSIO
VALOR: R$ 200.000,00

AGRICULTURA:
R$ 500.000,00
AQUISIÇÃO DE UM CAMINHÃO
VALOR: R$ 300.000,00

CONSTRUÇÃO DA CASA DO COLONO
VALOR: R$200.000,00

EDUCAÇÃO
R$ 450.000,00
OBRAS PREVISTAS:
CONSTRUÇÃO DE UMA CRECHE COMUNITÁRIA
VALOR: R$ 250.000,00
CONSTRUÇÃO DE DUAS CRECHES COMUNITÁRIAS
VALOR: R$ 200.000,00

SAÚDE
R$ 280.000,00
AQUISIÇÃO DE UM APARELHO DE ULTRASSONOGRAFIA
VALOR: R$ 130.000,00

ESGOTAMENTO SANITÁRIO REGIÃO URBANA
VALOR: R$ 130.000,00

OBRAS
R$ 200.000,00
CONSTRUÇÃO DE UMA ÁREA PARA EVENTOS
VALOR: R$ 200.000,00

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Acadêmicas irão expor "belezas do Acre"

Por Edmilson Alves
DOIS RIOS: de Rio Branco para o Rio de Janeiro. Hoje, as acadêmicas de jornalismo: Renata Silva e Nilda Marks (foto) embarcam para o Rio de Janeiro, onde irão expor, através de fotografias impressas em banners, imagens de pontos turísticos da capital acreana.

Gameleira, Palácio Rio Branco, Museu dos Autonomistas. São alguns dos pontos que serão lembrados.

A exposição será itinerante e pretende percorrer os principais pontos turísticos da "cidade maravilhosa", destacando-se entre eles: Copacabana, Palácio do Catete, Cristo Redentor, Pão de Açúcar.

Para Nilda, a intenção de expor, o que elas chamam de "as belezas" é desmistificar a idéia de que no Acre só teria floresta. Já para a estudante Renata: "A exposição pretende uma crítica, a determinado jornalismo, que só divulga o lado negativo do Acre".

As acadêmicas criaram um blog, página pessoal na Internet, e convidam os acreanos para acompanharem a exposição passo a passo. Segundo Nilda: fotos e notícias serão divulgadas diariamente tendo início dia 03 de janeiro.

sábado, 27 de dezembro de 2008

ACRE. Réveillon com ensaio de monopólio.

Por Edmilson Alves Na virada de 2007 para 2008, as duas maiores empresas de evento do Acre: Pop Show e Amazon Produções competiram para atrair o público acreano para o réveillon. A primeira, com uma atração pouco conhecida - levou pequeno público ao Círculo Militar. Já a segunda, venceu o duelo e atraiu a grande massa ao show do Chicletada - outra ilustre desconhecida, que pegou carona no rit do famoso Chiclete com Banana.

Na virada de 2008 para 2009, quarta-feira, 31. As duas empresas resolveram unir forças e formam um verdadeiro esforço de monopólio. Prometem um show inédito com a maior estrutura a ser vista na capital do Estado. O que chamam de “mega estrutura”.

Uma mudança significativa com a união Pop/Amazon já pode ser sentida no bolso. O ingresso inteira é R$ 100,00 e as vendas já estão abertas ao público. Ano passado o “Réveillon no parque” custou R$ 50,00 ingresso inteira.

Apesar da união das grandes, outros eventos de menor porte continua opcionais. O estudante Rommero Almeida acha melhor economizar. “Outras festas e boas atrações terão em toda a cidade com o preço mais acessível”. Conclui Rommero.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

RESERVA CHICO MENDES, OS BOIS SALVAM.

Ouça aúdio.

Por Edmilson Alves

“Hoje estaria paralítico, teria perdido os braços ou teria morrido”. Osmarino Amânzio se diz “salvo” pela criação de gado dentro da Reserva Chico Mendes.
Os seringueiros sem alternativas econômicas e sem auxílio para promoção da saúde se sentem abandonados pelo Estado.

“A reserva extrativista é uma forma que nós descobrimos de se fazer uso racional da terra. Você pode plantar culturas permanentes, você pode continuar a extração da borracha, da castanha, de outros produtos extrativistas, inclusive aí se inclui também a questão das árvores medicinais e tanta riqueza que existe nessa mata. Pode-se usá-la e ela pode servir como uma forma de industrialização e se tornar uma região com um grande potencial econômico para o país.”

O parágrafo acima é uma citação do próprio Chico Mendes descrevendo o que considerava ser a função da reserva extrativista.

Em dezembro de 2008, 20 anos depois do trágico assassinato de Mendes. A industrialização da reserva não veio. O estudo das plantas medicinais também não. E a extração da borracha, da castanha tornou-se tão desestimulante que pouco a pouco, estão sendo substituídas pela criação de gado. Logo a pecuária que teria sido o pivô da morte de dezenas de seringueiros que ousaram sonhar e lutar por um novo modelo de sociedade.

A seguir entrevista exclusiva, em áudio, com Osmarino Amânzio Rodrigues – Atual presidente do Partido Socialismos e Liberdade – PSOL no Acre, ex-líder sindical, fundador do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia, organizou juntamente com o lendário Wilson Pinheiro, o primeiro empate – maneira pacífica pela qual se impedia que floresta fosse destruída.

A chuva persistia em Rio Branco, na antevéspera do natal, 23, eram 11 horas quando me dirigia à vila de apartamentos do Conjunto Manoel Julião. Fui recebido por Keyla Roberta, administradora de empresas, militante do PSOL. Lá encontraria Osmarino Amâncio, um dos responsáveis, juntamente com Chico Mendes, pela organização do movimento de seringueiros que sonhavam em ter uma sociedade comunista no Acre. Sem divisão de classes, patrão ou propriedade privada. Pelo menos a última viram tornar realidade. A criação de Reservas Extrativistas – onde não existe título de terra. Ela é de uso comum de todos que a habitam.

1- Dia 23 de dezembro de 1988. O dia do enterro.

“Nas discussões que a gente fazia com o Chico ele sempre dizia que ao tombar [morrer] algum companheiro isso não deveria ser motivo pra esfacelamento dos demais que ficassem. Os que fossem ficando teria que dar continuidade, só não poderia haver a traição”.

Ouça aúdio.

2 – Quem teria se beneficiado com o morte de Chico Mendes?
“Eu não diria que só o Lula, ou só Jorge Viana, ou só o Tião Viana (Senador) foram beneficiados. Eu diria que o sistema, as multinacionais, as madeireiras, o grande latifúndio improdutivo, eu acho que o capitalismo foi o grande beneficiado. Porque a partir da morte do Chico, virou marketing essa coisa ecológica, a coisa ambiental, a coisa da Amazônia”.

Ouça aúdio.

3 - Desenvolvimento sustentável no Acre.
“É vetado nos meios de comunicação, você discordar do desenvolvimento sustentável colocado pelo Governo da Floresta”.

Ouça aúdio.

4- Marina Silva

“Existe omissão do governo do Acre”. Diz Mary Allegretty



Em extenso texto, publicado pela Agência Amazônia.com, Mary Allegrety – a antropóloga que influenciou e foi influenciada pelo movimento dos seringueiros acreanos. Faz uma analise minuciosa em: O que mudou na Amazônia após morte de Chico?

A antropóloga que conviveu com Chico Mendes faz duras críticas àqueles que deixaram de cuidar do legado de Mendes. O jornalista Antônio Alves – assessor do governador Binho Marques reconheceu a falha, durante a entrega do Prêmio Florestania, no qual foi agraciado, dia 20, “como é que deixamos essa população da Reserva Chico Mendes tão desistida de alternativas que eles tiveram que apelar para aquilo contra o qual eles se insurgiram, defendendo a floresta”.

A maneira como uma pessoa é lembrada depois de sua morte depende inteiramente da interpretação que fazemos de suas falas, textos, imagens. Passados vinte anos, será que estamos interpretando Chico Mendes da forma como ele gostaria de ser lembrado? Será que estamos enfatizando aqueles aspectos que lhe foram mais caros, mais difíceis de conquistar, ou, com o tempo, estamos selecionando os que mais nos agradam e os reinterpretando ao nosso próprio gosto? Tenho sempre essas questões em mente quando penso em um balanço do seu legado...

...A Reserva Chico Mendes é um exemplo claro da necessidade dessa revisão. Se ela está invadida por fazendeiros, como afirma o Ibama, não é suficiente expulsar os invasores, é preciso que o Ministério Público responsabilize também o Ibama por omissão, por ter deixado isso acontecer, afinal é o órgão responsável pelas unidades de conservação do país. Se o extrativismo em Xapuri está falido, como afirmou a presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri, Dercy Telles, é preciso avaliar as opções concretas de renda que existem para os seringueiros que moram na Reserva.
Concordo plenamente com a crítica da Dercy e acho muito constrangedor para todos os membros atuais e anteriores do Governo do Acre e do Governo Federal conviver com essa crise dentro da Resex Chico Mendes nesse momento. Não acredito que, de uma hora para a outra, os moradores passaram a ser invasores – algo está errado nessa avaliação e somente uma pesquisa poderia esclarecer.
Também acho que existe omissão do governo do Acre na busca de justiça às outras pessoas assassinadas no mesmo contexto do Chico. É o caso de Ivair Higino, assassinado brutalmente alguns meses antes do Chico. O julgamento dos acusados pelo crime, filhos do mesmo homem que mandou matar Chico Mendes, Darli Alves, só aconteceu 20 anos depois, em agosto passado, em uma constrangedora sessão no Tribunal do Juri de Xapuri, quando foram todos absolvidos. Ficou evidente que há uma guerra na surdina em Xapuri que, se não for administrada, ainda poderá resultar em mais mortes. São muitos os que não aceitaram a criação da Resex Chico Mendes e são muitos os que torcem para inviabilizá-la, inclusive incentivando o gado nas colocações dos seringueiros.
O governo do Estado do Acre, as lideranças do Conselho Nacional dos Seringueiros no Acre, o Ibama no Acre, precisam ser mais ativos na concretização dos sonhos do Chico, que são também seus próprios sonhos. Vejo o desconforto na face de muitos companheiros de Chico em Xapuri com os dilemas que estão vivendo para manter vivas as expectativas do passado e acreditar em um futuro melhor.
Precisamos parar de reverenciar a imagem de Chico Mendes, congelando-a no tempo, e arregaçar as mangas para viabilizar a economia da floresta hoje. Torná-la inspiradora de novos líderes, novas gerações, novas idéias. Estamos congelando seu legado e não transferindo-o para mãos mais jovens e arrojadas que queriam revitalizá-lo, reinventá-lo, recriá-lo de acordo com as necessidades dos gestores da floresta do futuro.

Leia do texto na integra em:
http://www.agenciaamazonia.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=3119&Itemid=164

Fotos do mesmo endereço. A exceção da foto de jornalista Antônio Alves, retirada do blog do Deputado Estadual Edvaldo Magalhães.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

PREJUÍZO AMBIENTAL ANUNCIADO. Banco Itaú desiste de financiar hidrelétricas do rio Madeira

O banco Itaú anunciou não querer financiar as obras da usinas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira (RO), duas das principais obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

As principais razões para deixar de investir no projeto de R$ 21 bilhões são a crise financeira e os riscos ambientais. As informações são do site Amazônia.org.br.

Com poucos meses de obras para a construção da usina de Santo Antônio, já começaram os impactos ambientais. Até o momento, onze toneladas de peixes morreram e o mau cheiro no local obrigou os trabalhadores da obra a usarem máscaras.



Ambientalistas, pesquisadores e o Ministério Público Federal alertaram, desde o início do projeto, os riscos ambientais das usinas, e até a equipe técnica do Instituo Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) reprovou a construção das hidrelétricas na região.



Apesar disso, as licenças ambientais para o empreendimento foram concedidas.Segundo o presidente do Ibama, Roberto Messias Franco, essa mortandade é desproporcional e anormal, sendo resultado de erros técnicos. Já o consórcio atribuiu a morte dos peixes a uma brusca variação de temperatura ocorrida no final da semana passada, o que classificou como um "fator não controlável.

Convidado para participar do financiamento tanto de Santo Antônio quanto de Jirau, o banco Itaú negou-se a aceitar ambas as propostas. Os bancos Santander e Banif, que detêm 20% de participação no consórcio Madeira Energia S/A (Mesa), responsável pela construção de Santo Antônio, formaram um Fundo de Investimento de Participação (FIP) e preparam sua saída do consórcio.

O Santander também já sinalizou que ficará de fora do financiamento de Jirau. Após ser deslocada 9,2 quilômetros do local inicialmente previsto, a construção dessa outra usina do Madeira é contestada na Justiça pelo Ministério Público Federal.O financiamento das usinas, no entanto, deve ter maior contribuição do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Apesar disso, o BNDES anunciou que financiará 60% da usina de Santo Antônio, e não 70% como se esperava.

A diferença será coberta pela Caixa Econômica Federal (CEF) e pelo Banco da Amazônia. No caso de Jirau, o BNDES ainda não definiu quanto irá investir.
Fonte: Amazônia.org.br - AT e Portal da Amazônia. Texto adaptado.

::::: Para refletir neste dia de Natal. ALEGRIA E SORRISOS, PRA COMEMORAR A MORTE?


" o Governo exagerou um pouco no tom festivo, com entregas de medalhas e comendas... ...como se estivesse comemorando, fazendo apologia de uma morte, um assassinato cruel e covarde.
Sílvio Martinelo, jornalista - diretor da Gazeta. (blog do Altino Machado)

“O momento a se falar desta questão [20 anos da morte de Chico Mendes] é o momento oportuno, a pensar de eu ter uma certa discordância de estarem fazendo festa. Comemorado uma morte. Sem ter o que comemorar.”
Osmarino Amânzio, homem dos lendários empates. (Gazeta Entrevista com Alan Rick)

Fato é que muita gente tem mesmo o que comemorar. 20 anos depois do triste episódio que acabaria com a vida de Chico Mendes. Muitos foram eleitos: prefeitos, vereadores, deputados estaduais e federais, senadores e até mesmo presidente da república.
Outros que não foram eleitos, ao menos ganharam um pedaço do “bolo”, em cargos comissionados e de confiança.


A luta de Chico Mendes ainda rende muito dinheiro para os que souberam tirar proveito do movimento que queria vida digna para os seringueiros. Esses últimos não souberam. Ganharam a terra. Mas ela mal garante a sobrevivência. É que o quilo da borracha anda em baixa, R$ 4,10, e a profissão de seringueiro, no Acre, desestimulante e sem alternativa de renda.

Sem saída, os “povos da floresta” fazem o que antes condenavam. Criam gado dentro da famosa Reserva Chico Mendes. “A pecuária só se expandiu dentro da reserva extrativista por falta dessa alternativa de geração de renda. O extratitvismo florestal no Acre está falido - conclui Derci Carvalho – Presidente do Sindicado dos Trabalhadores Rurais de Xapuri, em entrevista ao Blog da Amazônia.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

20 ANOS DEPOIS. Jorge Viana, Tião Viana e Lula ganharam com morte de Chico Mendes. Diz Darcy e Osmarino.


Condenado como mandante do crime que pós fim a vida do seringueiro Chico Mendes, Darly Alves, aos 73 anos de idade - cumpri prisão domiciliar em sua fazenda Paraná, na BR-317 em Xapuri (AC), declarou em entrevista ao jornalista acreano, Altino Machado que a publicou em seu blog, dia 22, que os grandes beneficiados com a morte do ambientalista Mendes foram o ex-governador Jorge Viana e o presidente Lula. “Eu continuo sofrendo até hoje, quer dizer, para ajudar os políticos, ajudar o Lula, o Jorge Viana. Ajudar a todos aí. O canal de dinheiro foi eu e o Chico Mendes. Chico Mendes foi um mártir e eu também. Diz Darly que acrescenta que a história poderia ter sido diferente, pois ele procurou o sindicalista para o diálogo, “chamei ele para nós ser amigos. Procurei autoridades para conversar com ele e ninguém me ajudou. Fizeram o mal para ele e me colocaram como instrumento”.

Luis Inácio Lula da Silva à época, já se destacava como uma das figuras mais importante do Partido dos Trabalhadores – PT e chegou a participar do movimento dos seringueiros acreanos. O próprio Lula afirmou, em seu programa Café com Presidente, transmitido neste 22 de dezembro, que conheceu Chico Mendes em 1980 e que daí teve uma forte relação política com o acreano de Xapuri.

Jorge Viana só apareceria bem mais tarde. “O Jorge Viana teve a sensibilidade de se promover [sobre movimento dos seringueiros/Chico Mendes] ... ...deturpou todo o movimento”. Diz o militante Osmarino Amâncio, um dos responsáveis, juntamente com Chico Mendes, pela organização dos empates – como era conhecida a maneira de impedir, pacificamente, que a floresta fosse destruída para dar lugar ao pasto do gado. Em gravação com mais de uma hora de duração, para este blog, ontem 23, Osmarino detalha questões delicadas, como ele mesmo define: “tentaram pintar ele [Chico Mendes] de ecologista. Uma liderança sindical que tinha uma postura socialista, uma postura sindicalista, que lutava contra o latifúndio”.




20 anos depois da morte do líder sindicalista Chico Mendes. Revelam-se os beneficiados com morte do “Homem da Floresta”. Segundo personagens com envolvimento direto naquele fatídico dia 22 de dezembro de 1988.


Darly Alves – condenado como mandante do assassinato de Chico Mendes.
“Eu continuo sofrendo até hoje, quer dizer, para ajudar os políticos, ajudar o Lula, o Jorge Viana. Ajudar a todos aí. O canal de dinheiro foi eu e o Chico Mendes. Chico Mendes foi um mártir e eu também.


Osmarino Amâncio, seringueiro, amigo íntimo de Chico Mendes:

“Eu não diria que só o Lula, ou só Jorge Viana, ou só o Tião Viana (Senador) foram beneficiados. Eu diria que o sistema, as multinacionais, as madeireiras, o grande latifúndio improdutivo, eu acho que o capitalismo foi o grande beneficiado. Porque a partir da morte do Chico, virou marketing essa coisa ecológica, a coisa ambiental, a coisa da Amazônia.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Osmarino Amâncio é o entrevistado, de hoje, do Gazeta Entrevista da Rede Record.



Logo mais às 21h30 o Programa Gazeta Entrevista - apresentado pelo jornalista Alan Rick - leva ao ar pela TV Gazeta – canal 11 – um diálogo com Osmarino Amâncio, militante que conviveu e participou ativamente do movimento dos seringueiros do Acre nas decadas de 70 e 80, Hoje completa 20 anos do enterrado do líder sindicalista Chico Mendes.

No início da entrevista, gravada por volta das 15 h, Osmarino começa discordando da postura do Governo do Acre e do Comitê Chico Mendes, de fazer “festa e comemorar” a morte do Chico Mendes. Em seguida denuncia a pretensão do Governo em expulsar seringueiros da Reserva Chico Mendes, através da Policia Federal e do IBAMA – órgãos federais – subordinados ao governo Lula. Os seringueiros são acusados de desmatar a floresta para criação de gado.

Veja o vídeo abaixo. Uma amostra de como será a entrevista.

sábado, 20 de dezembro de 2008

:: www.edmilsonalves.com é o novo endereço do blog.

A partir de hoje o blog Edmilson Alves estará em novo endereço: http://www.edmilsonalves.com/

O endereço anterior continua funcionando: edmilsonacre.blogspot.com

::: Tião Viana afirma ter votado contra PEC que aumenta número de vereadores.




Ouça o Senador Tião Viana.


Em entrevista à Jornalista Adriana Mendes – O Globo – o senador Tião Viana, PT do Acre, afirmou ter votando contra a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria 7.343 novos cargos de vereadores em todo o país.

Com muitos suplentes, no silêncio da madrugada de quinta-feira, 18, numa sessão relâmpago, o Senado aprovou PEC que recria parte dos 8 mil cargos de vereadores cortados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2004.

O Senador Tião, que pleiteia a cadeira de presidente do Senado, diz ter sido coerente com o mesmo posionamento de cerca de 5 anos atrás, quando na companhia dos senadores: Eduardo Suplicy e Heloisa Helena foram contra proposta semelhante.
Heloisa não ocupa mais o cargo de senadora, mas o senador do seu partido José Nery (PSOL-PA) e Eduardo Suplicy (PT - SP) votaram favorável a proposta. O que chega a surpreender, uma vez que o senador de São Paulo costuma ter posicionamento em sintonia com a opinião pública. Até mesmo o presidente Lula condenol a PEC dos vereadores.


Outro que desampontou alguns setores da sociedade foi Pedro Simon (PMDB-RS) que seguiu o exemplo de Eduardo. As supresas param por aí. Cristovam Buarque (PTD - DF) manteve-se coerente a sua trajetória politica e disse não ao aumento do número de vereadores.

No segundo turno da votação, 58 senadores votaram à favor e 5 contra.

Votaram contra:
No primeiro turno foram Álvaro Dias (PSDB-PR), João Pedro (PT-AM), Kátia Abreu (DEM-TO), Raimundo Colombo (DEM-SC) e Tião Viana (PT-AC). No segundo turno Álvaro Dias não votou e Cristovam Buarque (PDT-DF) completou os cinco votos contrários.

Alguns que votaram à favor
Eduardo Suplicy(PT-SP)
Aloizio Mercadante (PT-SP)

Expedito Júnior (PR-RO)
Fátima Cleide (PT-RO)
Valdir Raupp (PMDB-RO)

Arthur Virgílio (PSDB-AM)
Ideli Salvatti (PT-SC)

José Nery (PSOL-PA)
Pedro Simon (PMDB-RS)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Patrícia Saboya (PDT-CE)
Inácio Arruda (PCdoB-CE)
Magno Malta (PR-ES)
Marcelo Crivella (PRB-RJ)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Roseana Sarney (PMDB-MA)
Valter Pereira (PMDB-MS)
Antônio Carlos Junior - ACM (DEM-BA)
Demóstenes Torres (DEM-GO)
Heráclito Fortes (DEM-PI)
Ideli Salvatti (PT-SC)

20 anos da morte de Chicos Mendes. TV Senado homenageia ambientalista acreano


A TV Senado exibe neste fim de semana um documentário sobre o líder sindical e ambientalista Chico Mendes, morto há 20 anos, em dezembro de 1988, em Xapuri, no Acre, onde atuava. O programa EcoSenado apresenta a trajetória de Chico Mendes e as iniciativas do seringueiro para a valorização do trabalho extrativista e a preservação da Floresta Amazônica. Muito do trabalho iniciado por Chico Mendes ainda se reflete nas transformações sociais do estado do Acre. O EcoSenado vai ao ar no domingo (21), às 11h15 e às 19h45.

A TV Senado pode ser sintonizada nos canais UHF 51, em Brasília (DF); 36, no Gama (DF); 40, em João Pessoa (PB); 43, em Fortaleza (CE); e 52, em Manaus (AM). Pelos canais de assinatura 7, da Net Brasília; 17, da Tecsat; 118, da Sky; e 217, da Direct TV.
Fonte: Da Redação / Agência Senado