quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

OAB reunirá acadêmicos do IESACRE e direção da UNINORTE nesta sexta.

O acadêmico José Carlos de Oliveira - um dos articuladores do movimento em prol de garantias pela qualidade no ensino superior no estado. Informou na manhã de hoje, que a Ordem dos Advogados do Brasil - OAB – Acre confirmou reunião, mediada pela Ordem, entre os diretores da UNINORTE e os acadêmicos do IESACRE para documentar reivindicações - fruto da aprovação unânime dos alunos do IESACRE - cursos de Administração, Serviço e Comunicação Social - durante ato público realizado no dia 14 de novembro em frente ao prédio da instituição no Parque da Maternidade.

A reunião ocorrerá nesta sexta-feira, 05, às 10 horas da manhã na Sede da OAB - Centro Empresarial Rio Branco.

“O objetivo é documentar, através da OAB, as soluções prometidas pela direção da UNINORTE para os graves problemas que se arrastam deste o início deste semestre. Precisamos saber, claramente, o que será solucionado ou não pela UNINORTE". Diz o aluno José Carlos.

No item 08 da reivindicação (veja os demais itens logo abaixo) – Suspensão das taxas em acordo com o posicionamento do Ministério Público – os alunos já sabem a postura da UNINORTE. O diretor daquela faculdade, Marcos Brandão deixou claro que as cobranças continuam.

Os alunos fizeram varias manifestações, entre elas - a paralisação do dia 14 de novembro, até que foram ouvidos pela diretoria da UNINORTE no dia 25 de novembro. As tentativas de diálogo com direção marcavam desde o dia 12 de setembro – momento em que os alunos perceberam que os coordenadores dos cursos não conseguiam solucionar os problemas de falta de aula, redução da carga horária, redução salariais dos professores entre outros.

O objetivo dos alunos é que o próximo semestre seja totalmente diferente deste. Com professor em sala de aula. Laboratórios funcionando e com a certeza de que aulas virtuais não venham a ser implantadas.

“Estudo em uma faculdade de ensino presencial. Só em falar de aulas pela internet já me assusto logo. Estudo virtual rima com falta de compromisso com a qualidade do ensino. Deixa as aulas virtuais para quem quer fazer faculdade a distância.” Finaliza Edmilson Alves.


Fotos da manifestação da sexta-feira, 14 de novembro. Paralização para aprovar reividicações.


Conheça as reividicações apresentadas:

1 - Redução da carga horária. O tempo das disciplinas foram reduzidas não mais atingindo 60 horas, como prevê o currículo da maioria das disciplinas do IESACRE. Defendemos: Retorno às 4 aulas de 50 minutos;

2 – Reposição das aulas perdidas;

3 - Redução salarial do professores. Com a redução de carga horária automaticamente houve redução salarial dos mestres. Defendemos: Professores mais capacitados e salário condizente;4 – Retorno imediato dos laboratórios de prática complementares;

5 – Laboratórios que atendam a demanda dos acadêmicos de comunicação social, funcionado com número adequado de profissionais e durante os três turnos. Exatamente como ocorria anteriormente;

6 – Readequação nos valores das disciplinas individuais a serem pagas pelos alunos (curso de férias);

8 – Suspensão das taxas em acordo com o posicionamento do Ministério Público;

9 – Criação de comissões de 5 alunos por turma para acompanhamento da escolha dos professores do semestre seguinte;

10 – Que a metodologia dos professores sejam avaliadas pelos acadêmicos, com intermédio da comissão, no prazo de até 3 semanas do início do semestre;

Obs.: as comissões deverão ser formuladas mediante critérios que mantenha distante os julgamentos de cunho subjetivo.

11 – Que o grupo IUNI firme compromisso em não fechar o IESACRE do parque até que se formem todas as turmas que já estavam em andamento quando da negociação que culminou na venda da instituição;

12 – Que grupo IUNI firme compromisso em cumpri a carga horária de aulas presencias. Comprometendo-se em não substitui os horários por nenhum tipo de estudos virtuais;
13 – Que os alunos sejam atendidos em relação as suas expectativas quanto ao PROUNI e FIES;

14 – Extinção das aulas corridas, em que um único professor (a) fica com todas as aulas de determinado dia letivo. A experiência é improdutiva e cansativa para mestre e alunos;

15 – Discutir com os acadêmicos de serviço social sobre a mudança na grade curricular.

Enviar para o Twitter

0 comentários: