sábado, 6 de dezembro de 2008

.Acadêmicos do IESACRE obtêm respostas às reivindicações.

Em reunião mediada pela Ordem dos Advogados do Brasil – OAB – Acre, na sexta-feira, 05, os diretores da UNINORTE – Marcos Brandão e Afra Maria - garantiram melhorias para os 3 cursos que compõe o IESACRE.


O encontro foi mediado pela advogada Juciane Pontes. Com bastante cordialidade e apreço ela recebeu os diretores da UNINORTE e os alunos: Maria Otacília – que desperta atenção pelo fato de aos 69 anos de idade freqüentar uma faculdade de aula presencial, Sionete Viana, Emisson Lima, Edmilson Alves e o Presidente do Diretório Central dos Estudantes DCE/UNINORTE - Giovanny Kley.


O apoio da Ordem, assegurado pelo seu presidente - Florindo Poersch foi fundamental para o resultado ora observado. O papel social que cumpri a OAB é admirável. Ainda mais quando o IESACRE não dispõe de curso de direito.

A OAB costuma fazer acompanhamento do curso que lhe é peculiar, buscando garantir qualidade no ensino. Mas resolveu abrir uma exceção, aos cursos de Administração, Serviço e Comunicação Social, por ter sido procurando pelos estudantes do IESACRE.

Houve também apoio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Acre – Sinjac, através da presença do seu presidente Marcos Vicentti a uma reunião na OAB, na terça-feira, 02. Vicentti atendeu ao convite do estudante José Carlos de Oliveira – um dos articuladores do movimento em prol de garantias pela qualidade no ensino superior no estado.
Os alunos fizeram varias manifestações, entre elas - a paralisação do dia 14 de novembro em frente ao prédio da instituição no Parque da Maternidade - da oportunidade foi gerada 15 itens reivindicatórios com aprovação unânime dos acadêmicos dos 03 cursos.

Após a paralisação do parque, e cobertura da imprensa, a diretoria da UNINORTE resolveu atender os discentes. As tentativas de diálogo com a direção já somavam 8, sendo que a primeira marcava do dia 12 de setembro – momento em que os alunos perceberam que os coordenadores de curso não conseguiam solucionar os problemas de falta de aula, redução da carga horária, aulas ineficientes entre outros.

No dia 18 de novembro à diretora pedagógica, Afra Maria, ouviu os estudantes, minutos depois de ter gravado entrevista para repórter da TV Aldeia, que cumpria pauta sobre a paralisação daquela sexta-feira, 14 de novembro. Deste encontro resultou a reunião, no último dia 25, com os 3 coordenadores de curso, os diretores– Marcos Brandão e Afra Maria, e, acadêmicos do IESACRE.

Os resultados podem ser classificados como positivos graça a intensa mobilização e união dos estudantes que souberam lutar pelos seus direitos. Mesmo tendo sofrido perseguições, os alunos resistiram. É bom lembrar que tais perseguições partiram quase que exclusivamente da coordenação do curso de jornalismo. Para se ter idéia, na mobilização de sexta, 14 de novembro. Somente os professores de jornalismo foram orientados a manterem os alunos em sala de aula sob trabalho valendo nota.

A postura do coordenador do curso de Administração, por exemplo, foi completamente oposta. Marcelo Ruiz estava em sala de aula. Mais preferiu estabelecer diálogo com os lideres do movimento e em seguida liberou seus alunos para participar do ato cívico.
Abaixo, reivindicações acadêmicas e respostas da direção da UNINORTE:

1 - Redução da carga horária. O tempo das disciplinas foi reduzido não mais atingindo 60 horas, como prevê o currículo da maioria das disciplinas do IESACRE. Defendemos: Retorno às 4 aulas de 50 minutos;

Resposta: A carga horária de 60 horas por disciplina será, plenamente, observada a partir do próximo semestre.

2 – Reposição das aulas perdidas;

Resposta: Oficinas serão realizadas para reposição do conteúdo não efetivado pelos professores.
3 - Redução salarial do professores. Com a redução de carga horária automaticamente houve redução salarial dos mestres. Defendemos: Professores mais capacitados e salário condizente;

Resposta: Com a carga horária de 60 horas restituídas. Os professores passariam a ter salários melhores. Porém, segundo a direção da UNINORTE os docentes já recebem para aplicar 60 horas. Só não o fizeram. A versão de alguns professores é outra, eles confirmam a redução da carga horária e conseqüente redução salarial. Foram ouvidos 04 mestres, que prefere não se identificar. A constituição garante o direito de sigilo à fonte.

4 – Retorno imediato dos laboratórios de prática complementares;

Resposta: As práticas laboratoriais serão retomadas no próximo semestre e serão ligadas às disciplinas afins.

5 – Laboratórios que atendam a demanda dos acadêmicos de comunicação social, funcionado com número adequado de profissionais e durante os três turnos. Exatamente como ocorria anteriormente;

Resposta: Será feito levantamento da demanda e avaliada a possibilidade.
6 – Readequações nos valores das disciplinas individuais a serem pagas pelos alunos (curso de férias);

Resposta: Segundo os diretores, foi montada tabela exclusiva para atender os acadêmicos com déficit em disciplinas. Podendo estes, inclusive, fazer reposição disciplinar nos cursos em andamentos da UNINORTE, o que na prática reduziria, até mesmo chegando a zero, o custo para os estudantes.
Quanto a valor de tais. Afirmam que não houve aumento de cobrança.

8 – Suspensão das taxas em acordo com o posicionamento do Ministério Público;

Resposta: Segundo o Diretor Marcos Brandão, o Ministério Público Federal apenas tentou acordo para a não cobrança de taxas. Sendo rejeitado pelas faculdades: UNINORTE, IESACRE e FIRB/FAAO. Eles afirmam que as instituições têm autônima jurídica para cobrar às taxas.
Não é assim que o sítio AC 24horas interpreta. Segundo o site a Lei 9.870/99 é à base do texto de recomendação do MPF:

“desde a promulgação da Lei 9.870/99, a única forma admitida de remuneração para as instituições de ensino superior são as anuidades e semestralidades, que podem ser divididas em parcelas mensais, qualquer cobrança extra referente aos serviços educacionais configura-se em irregularidade, podendo ser admitida apenas para o caso de emissão de segundas vias e desde que o seu valor não ultrapasse o correspondente ao custo da expedição do documento, sem qualquer margem de lucro”.

Os diretores afirmar que alguns documentos, como histórico, por exemplo, serão obtidos gratuitamente pelo portal do aluno pela internet.

9 – Criação de comissões de 5 alunos por turma para acompanhamento da escolha dos professores do semestre seguinte;
10 – Que a metodologia dos professores seja avaliada pelos acadêmicos, com intermédio da comissão, no prazo de até 3 semanas do início do semestre;
Obs.: as comissões deverão ser formuladas mediante critérios que mantenha distante os julgamentos de cunho subjetivo.

Resposta aos itens 9 e 10 – Existirão outras maneiras dos acadêmicos participarem. Os coordenadores de curso dispõem de plena autonomia para tratar com os alunos questões de metodologia dos professores.
11 – Que o grupo IUNI firme compromisso em não fechar o IESACRE do parque até que se formem todas as turmas que já estavam em andamento quando da negociação que culminou na venda da instituição;

Resposta: Para os diretores não é possível afirma se o prédio do parque será fechado ou não. Acrescentando, que foi feito investimentos na reforma do prédio. O que justificariam a continuidade naquela estrutura física por um tempo razoável.
12 – Que grupo IUNI firme compromisso em cumpri a carga horária de aulas presencias. Comprometendo-se em não substitui os horários por nenhum tipo de estudos virtuais;

Resposta: O portal de estudos virtual será implantando. Mas não substituirá aulas presencias. A carga horária de 60 horas por disciplina será cumprida. A internet será utilizada para estudos complementares.

13 – Que os alunos sejam atendidos em relação as suas expectativas quanto ao PROUNI e FIES;

Resposta: PROUNI e FIES serão implantados conforme demanda de procura e formação de novas turmas pelo IESACRE.


14 – Extinção das aulas corridas, em que um único professor (a) fica com todas as aulas de determinado dia letivo. A experiência é improdutiva e cansativa para mestre e alunos;

Resposta: As aulas corridas serão extintas. Foi uma experiência aplicada apenas no curso de jornalismo.
Serviço social e Administração não sofreram com tal mudança.
15 – Discutir com os acadêmicos de serviço social sobre a mudança na grade curricular.

Resposta: Os diretores garantem que a mudança só afeta alunos ingressantes e os acadêmicos do 2º período.

Enviar para o Twitter

0 comentários: