terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Futurus Incertus- Sandice suíça.

Por José Cícero Gomes*


Como poderia ser o Brasil xenófobo se recebemos todos os povos de braços abertos. Mas, se continuarem a tratarem os brasileiros e brasileiras na Europa ou em qualquer outro continente como insertos e vermes(inserts and worms,fügt ein & Gewürm, insérer et vers),talvez poderemos nos tornarmos xenofóbicos. Só etamos reagindo a forma como os européus e norte-americanos tem nos tratado nos últimos tempos. Mas esta que temos aversão a pessoas estrangeiras não procede, é uma sadice. Só tem uma coisa, sejam suícos, estadunidense, alemães ou sei lá o quê, teram que comprender e aceitar que não somos inferiores a ninguém neste mundo. Não somo melhores nem piores. Exigimos respeito. Se não nos querem em seus países tudo bem. Mas ajam com humanidade e civilidade.

Vejam esta insensatez do jornalismo suíço:

Jornal suíço contra-ataca e diz que Brasil é xenófobo. Os jornais suíços fizeram um duro ataque contra o Brasil, mesmo sem saber o resultado final das investigações no caso da advogada brasileira Paula Oliveira, que diz ter sofrido um aborto após ser agredida por um grupo skinhead na última segunda-feira em Zurique.

O periódico "Neue Zürcher Zeitung" ironiza o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e alerta que a mídia brasileira "regularmente publica notícias de fatos totalmente inventados, acusações que já destruíram a vida de outras pessoas".

Segundo laudo médico emitido pela polícia suíça, Paula não estava grávida. De acordo com o jornal, a gravidez inventada seria uma técnica comum no Brasil para mulheres que querem pressionar seus maridos. Para o NZZ, o Brasil seria um dos países mais xenófobos do mundo. "O país tropical está, de acordo com sondagens internacionais, entre os Estados com maior índice de xenofobia: 72% são, segundo pesquisa, contra a recepção de estrangeiros", comenta a publicação.

Mandar turistas (estadunidenses, italianos, fraceses, suíços, alemães,...etc.) desrepeitosos de volta para casa no mesmo vôo que vinheram, turistas estes que pensam que o Brasil é o paraíso da sacanagem, a terra do sexo fácil, o grande bordel trópical,... Não constitui xenofobia, mas auto afirmação e a busca pela moralidade e pela respeitabilidade internacional, e acima de tudo doméstica. Porque antes do mundo nos respeitar temos que nos respeitarmos.
*José Cícero Gomes é historiador e professor da rede pública estadual de Rondônia. Cícero escreve para o blog: http://latuscultus.blogspot.com/2009/02/futurus-incertus-sandice-suica.htmlincertus-sandice-suica.html

Enviar para o Twitter

Círio, demonstração de fé

Por Maria Otacília de Freitas Ribeiro*

Este ano (2008), o círio de Nossa Senhora de Nazaré, em Rio Branco, foi o mais lindo e mais significativo na história da igreja, porque a Catedral comemora o seu jubileu.

Desde os primórdios da cultura humana, o povo de Deus usava o candelabro (do latim: grande castiçal) onde eram acesas as velas de cera (Êxodo, 25: 31 e 37). Já no Novo Testamento, com a vinda do Messias, Jesus Cristo, filho da Virgem Maria, gerado por obra e graça do Espírito Santo, a igreja continua a tradição e usa o círio (do latim vela de cera) – círio pascal: simbolicamente representa a ressurreição de Jesus (passagem da morte para a vida).

Muitos cristãos, até mesmo católicos, ignoram o sentido de muitos rituais que acontecem, principalmente, na celebração da santa missa.

Não faz muito tempo, uma senhora me abraçou comovida, lá na Catedral, após a celebração da Eucaristia e me disse: “Muito obrigada, porque hoje eu participei da missa pela primeira vez, graças à senhora; até então eu vinha, mas não participava porque não sabia”.

Nenhum culto religioso tem maior valor do que a celebração da Eucaristia! Em qualquer lugar do mundo onde um ministro ordenado (presbítero), ou seja, um padre, rezar uma missa, acontecerá o milagre da transubstanciação: o pão e o vinho passam a ser, verdadeiramente, o corpo e o sangue de Jesus Cristo. Foi na quinta-feira santa que Jesus rezou a primeira missa (Mt 26: 26; Mc 14: 22; Lc 22: 19; I Cor 11: 23), sacrifício cruento quando foi o próprio Jesus. Hoje, sacrifício incruento, porque é por meio do ministério ordenado do sacerdote católico.

Como já dissemos no início, este ano foram superadas todas as expectativas por ser o ano em que se comemora o cinqüentenário da nossa Catedral.

O início da procissão e translado das imagens de Cristo e de Nossa Senhora percorreu a Av. Marechal Deodoro e a Av. Brasil. Mas antes já havia acontecido, na Gameleira, o encontro dos barcos que traziam as duas imagens conduzidas por famílias de diversas pastorais.

Ao término da procissão, no pátio da Catedral, o bispo Dom Joaquim Pertiñez proclamou a abertura do Ano Jubilar e, após a assembléia passar pelas quatro tendas, foi aberta a porta santa por onde todos deverão passar durante o ano.

Visitarão a Catedral todas as romarias das paróquias e comunidades. Será um ano de graça, de muitas bênçãos para aqueles que, com fé, adentrarem a porta santa.

*Maria Otacília de Freitas Ribeiro é acadêmica do 7º período de Comunicação Social – Jornalismo – do IESACRE (Instituto de Ensino Superior do Acre). O Presente artigo foi apresentado como trabalho acadêmico.

Enviar para o Twitter

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

ANVISA QUER MAIS CONTROLE SOBRE MEDICAMENTOS.

Por Edmilson Alves

Depois de impor mais rigor à venda de medicamentos controlados (2007/2008) - aqueles em que a receita é retida no ponto de venda - a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA estenderá os mesmos critérios às demais drogas legais, comercializadas em farmácias e drogarias em todo o Brasil. A Lei 11.903/2009, que cria o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos – SNCM, teve sua publicação no Diário Oficial efetivada no último dia 15 de janeiro, e será implantada gradativamente não devendo ultrapassar o prazo de três anos.

O novo sistema pretende monitorar todos os medicamentos produzidos e vendidos no País. Da fabricação ao consumo pela população.

O controle será informatizado e através da internet farmácias e drogarias deverão informar à ANVISA dados do comprador, médico e paciente. A intenção é ter controle sobre cada caixa de remédio. O controle já existe sobre os psicotrópicos – medicamentos que usado sem critérios pode levar a dependência química. O SNGPC - Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados foi implantado em 2007. No Acre está em funcionamento desde abril do ano passado. “O sistema nos dá mais segurança. Sabemos quem compra, seus dados são todos informados” disse a farmacêutica Edilene Sabóia.

Segundo dados do Ministério da Justiça o setor farmacêutico movimenta 10 bilhões de dólares ao ano. O novo controle poderá ter impacto negativo na arrecadação financeira desse ramo. A venda indiscriminada de remédios é uma realidade que eleva os lucros do setor, confirma um proprietário de drogaria que, constrangido, preferi não se identificar. “A venda sem receita é comum em qualquer drogaria do Acre”. Diz o dono da empresa que garante que quanto aos psicotrópicos a realidade é outra: “estes só mesmo com a receita. Não adianta o comprador insistir”. Finaliza.

Enviar para o Twitter