quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Brasileiros são derrotados mais uma vez, Câmara aprova mínimo 4 vezes menor que o necessário

Mais uma vez a sociedade brasileira perdeu a batalha do Salário Mínimo para o Governo e Câmara Federal nesta quarta-feira, 16. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos - DIEESE – o Salário Mínimo brasileiro deveria ser de R$ R$ 2.227,53, mas, contrariando a realidade do País o mínimo aprovado ontem pelos federias é quatro vezes menor, ou seja, R$ 545,00.

Nem sempre foi assim, o salário já correspondeu à realidade dos gastos com habitação, saúde, alimentação, lazer, educação e demais itens básicos de sobrevivência, mas, depois dos gastos impagáveis da construção de Brasília e da política dos militares de concentrar renda em pouco menos de 10% da população que detém quase 80% das riquezas brasileiras o salário foi se deteriorado ao logo do tempo.

À época, Delfim Neto foi o Ministro da Fazenda responsável pela destruição do salário do trabalhador. Durante o Governo Lula, Delfim Neto foi um íntimo conselheiro econômico do presidente. Coube a Delfim a máxima: “Aumentar o bolo pra depois distribuir”.

Como o brasileiro prefere eleger a maioria dos políticos que representa os interesses dos 10% mais ricos da população, os 90% restantes não são lembrados em votações importantes como a ocorrida na noite desta quarta-feira.

Os oitos deputados federais eleitos pelo Acre votaram contra os trabalhadores, pois, se quer existia alguma proposta favorável aos trabalhadores, ou seja, todos os 513 federais contra o assalariado brasileiro.

Votaram a favor do Governo Dilma (R$ 545,00) e contra os brasileiros:

1 - Gladson Cameli – PP
2 - Perpétua Almeida – PC do B
3 - Flaviano Melo – PMDB
4 - Antônia Lucia – PSC
5 – Sibá Machado – PT
6 – Taumaturgo Lima - PT

Votaram a favor do PSDB (R$ 600,00) e contra os brasileiros:

7 - Márcio Bittar – PSDB
8 – Henrique Afonso – PV

Enviar para o Twitter

0 comentários: