segunda-feira, 29 de junho de 2009

Michael Jackson: para biógrafo, astro era gay e nunca abusou de menores

Em entrevista ao jornal britânico "Daily Mail", o autor de uma biografia não autorizada de Michael Jackson, Ian Halperin, afirmou acreditar na inocência do "Rei do Pop" em relação às duas acusações de pedofilia sofridas por ele, em 1993 e em 2003. O biógrafo chegou também a dizer que o cantor era homossexual. Segundo Ian, depois de várias pesquisas, ele descobriu que Michael era gay, mas que não gostava de crianças, e sim de homens mais novos do que ele.


"Está claro para mim que Michael era homossexual e que gostava de homens mais novos, mas não tanto quanto Jordan Chandler e Gavin Arvizo (os meninos adolescentes que o acusaram de abuso sexual). Durante minhas investigações, eu conversei com dois de seus casos gays. Um era um garçom de Hollywood e outro um aspirante a ator", afirmou o escritor.

Ian Halperin também escreveu outra reportagem, no mesmo tablóide "Daily Mail", revelando que Michael Jackson teria dito quatro dias antes de falecer, que "estaria melhor morto". Segundo a matéria do jornal, uma fonte próxima ao cantor contou que ele estava pessimista durante os ensaios para aquela que seria sua última turnê, achando que não tinha mais voz e nem conseguia dançar. "Isso não está funcionando. Eu estaria melhor morto. Não tenho para onde correr. Estou acabado", teria afirmado o cantor.

A fonte da notícia é descrita como um "confidente de Michael". Segundo ela, o astro pop estaria "cansado de viver" e pessoas próximas estariam enchendo-o de remédios como forma de controlá-lo. Ian Halperin é o mesmo jornalista que, no final de 2008, escreveu artigo afirmando que Michael tinha apenas seis meses de vida. Agora, ele vai lançar o livro "The Final Years Of Michael Jackson" ("Os últimos anos de Michael Jackson"), no mês que vem.

Yahoo Notícias.

Leia também:

Mistério cerca morte de Michael Jackson

Enviar para o Twitter

0 comentários: