sexta-feira, 19 de junho de 2009

Caso Polícia Militar: Palavras Perigosas

Antes de tudo estou manifestando minha indignação pelo que tem ocorrido nestes dias com a segurança pública desse Estado. O cinismo e os interesses pessoais são preponderantes para que prevaleça a injustiça e a indiferença. É diante dessa situação demagoga que estou convencido que temos que ter espaços alternativos para contribuir a instigação da pluralidade de ideias. Porque somente com a instigação do pensamento é que se pode consolidar uma postura crítica. Com isso, enriquecer o espírito democrático.


O comando da Polícia Militar, representado na pessoa do cel. Romário Célio, fez um comentário aos jornais locais, há um tempo, que me incomodou muito. Confesso que ainda fico perplexo que a segurança pública nesse país, ainda esteja calcada nas velhas ideologias políticas da Ditadura Militar.
E os ventos ideológicos sopram até hoje nos nossos dias, mascarado como conhecimento da área policial. Toda reportagem se resumia na seguinte afirmativa: "Todo cidadão é um criminoso em potencial".Essa lastimável afirmação, representa um perigo para uma polícia que precisa se adequar aos novos paradigmas do fazer policial, onde atualmente, se discute o fracasso do monopólio da segurança pública nas mãos dos seus agentes e se constrói uma nova tendência, conhecida como polícia comunitária e a orientada para a solução de problemas, pois são modelos que indicam índices já demonstrados em vários lugares no mundo como modelos eficazes para a prevenção de prática criminosa, e que para sua realização, o papel da comunidade é um elemento indispensável para esse processo.
Ora se agora se discute que a sociedade é parceira essencial para a prevenção de crimes, o comportamento policial tem que apontar novas perspectivas para atuar próxima da sociedade, e com ela trabalhar em conjunto. Mas o pensamento conservador do comando da Polícia Militar do Estado Acre, procura andar na contramão das novas abordagens sobre segurança pública. Procurando ampliar o fosso que existe entre polícia e sociedade.
Analisando as entrelinhas dessa afirmação que "todo cidadão é um criminoso em potencial", instaura-se uma situação de medo e ao mesmo tempo de desconforto, pois se adoto essa ideia como agente de segurança pública passarei a observar a todos como suspeitos, e que todos são criminosos ou contraventores, serei o Alienista, do famoso conto de Machado de Assis, onde um médico conceituado chamado Bacamarte passa a internar todas as pessoas da cidade por considerá-las loucas por diversos motivos que era friamente observado como algo patológico, aonde ele chega à conclusão de que ele era o único sadio e reto daquela região. Será que se fizermos um ajuste das palavras do cel. Célio à conduta do personagem Bacamarte, não encontraremos algo em comum? Bacamarte pela sua postura cega e desvairada em nome da ciência, afirmava implicitamente que: "todo cidadão é um louco em potencial". Isso demonstra o perigo que há em adotar o sofisma da rigorosidade na abordagem policial.Pois em decorrência dessa lógica perversa, surge à intransigência, a truculência, o desrespeito aos direitos humanos. E a imposição da força vai ser o mecanismo para justificar a ordem a cima de tudo, a arbitrariedade vai ser legítima para buscar os fins. O encadeamento disso é uma ordem tirânica que não se coaduna com o espírito democrático, porque a democracia requer das suas instituições um respeito a todos os cidadãos sem distinção. Já que o poder atribuído aos setores públicos emana da vontade popular, pois é ela que tem a titularidade do poder.

Artigo anterior:
Tendo em vista os últimos acontecimentos envolvendo a Polícia Militar e Governo do Acre e atendendo ao pedido de um cidadão com desejo de manifestar-se diante dos fatos que ora ocorrem, o Blog Edmilson Alves passa a publicar textos que representam a opinião deste cidadão. Assumimos a responsabilidade de não identificá-lo, com intuito de preservar sua segurança.
O Blog Edmilson Alves é um espaço democrático e disponibiliza-se, desde já, a também publicar textos de qualquer parte que, por ventura, sinta-se atinginda pelo conteúdo expressando pelo cidadão em questão
.

Enviar para o Twitter

0 comentários: